PUBLICIDADE
Topo

Observatório das Eleições

Capitão Wagner e o fundamentalismo religioso na disputa de Fortaleza

Capitão Wagner (PROS) disputa a Prefeitura de Fortaleza  - Reprodução/Facebook
Capitão Wagner (PROS) disputa a Prefeitura de Fortaleza Imagem: Reprodução/Facebook
Observatório das Eleições

O Observatório das Eleições 2020 tem como objetivo geral reunir um conjunto de dados empíricos, de natureza qualitativa e quantitativa, sobre o processo eleitoral municipal no Brasil. Aqui você encontra artigos, vídeos, infográficos e outros formatos de conteúdos com análises sobre as eleições de 2020, através de dados originais ou de sistematizações de dados públicos. Oferecemos subsídio acadêmico e explicação pedagógica aos diferentes atores políticos, sociedade civil, comunidade universitária e imprensa para o debate sobre as questões centrais envolvidas no processo eleitoral. Apresentamos de forma didática e comparativa as principais pesquisas e amostras, além de discutir as características gerais do eleitorado. Visamos também tornar acessível as legislações envolvidas em cada um dos assuntos que serão relevantes nas eleições de 2020. Nesse pleito, temos um contexto muito particular e multifacetado. Por isso, aqui você encontrará análises sobretudo dentro destes eixos: Opinião PúblicaGênero e RaçaJustiça e EleiçõesGrupos de interesseFake NewsCidadesGeral O Observatório das Eleições nasceu em 2018 como fruto da cooperação entre cientistas políticos e instituições de pesquisa de renome como UFMG, Unicamp, IESP/UERJ e UnB. É constituído pela reunião do conjunto de equipes de diferentes projetos, dentre eles participantes do INCT/IDDC (Instituto de Democracia e da Democratização da Comunicação), a equipe da Emenda Parlamentar nº 14080008, que se propôs a financiar parte das atividades do Observatório das Eleições, além de contar com o apoio da empresa Quaest Pesquisa e Consultoria.

28/11/2020 08h49

Emanuel Freitas*

O segundo turno da disputa pela Prefeitura de Fortaleza tem assistido a uma forte mobilização do campo religioso conservador, sobretudo entre os evangélicos, de apoio à candidatura de Capitão Wagner (PROS).

Ele apresenta-se como "independente" e sem "chefe político" quando questionado acerca do apoio do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que acumula reprovação de 46% dos fortalezenses conforme pesquisa Ibope divulgada nesta segunda (23). Porém, os apoiadores de sua candidatura, parlamentares e lideranças "bolsonaristas" de primeira hora resolveram radicalizar na semântica religiosa e aproximá-lo ainda mais do espectro bolsonarista.

No primeiro turno, quando a primeira pesquisa de intenção de votos foi publicada, em 15 de outubro, já se sabia que o segmento dos evangélicos lhe traria considerável montante de votos. Wagner aparecia com 39% das intenções de votos dos evangélicos, contra 16% de Luizianne Lins (PT) e também 16% de José Sarto (PDT). Três dias depois era a vez do Datafolha apontar a vantagem do candidato neste agrupamento religioso: 42% dos evangélicos diziam ter no Capitão a sua escolha eleitoral.

Uma segunda pesquisa IBOPE, publicada em 04 de novembro, trazia novos dados coletados por segmentos, o que incluía os evangélicos, e nela a intenção de votos em Wagner era de 37%, ao passo que a de Sarto, também evangélico, era de 22%.

Num dos momentos iniciais da campanha, Wagner aparecia nas redes sociais com uma apoiadora dizendo que, caso fosse eleito, "devolveria Fortaleza aos cristãos".

Desde o primeiro turno, o candidato contou com o apoio explícito dos deputados estaduais Dra Silvana (PL/Assembléia de Deus), David Durand (REPUBLICANOS/Universal), Apóstolo Luiz Henrique (PP/Igreja do Senhor Jesus) e André Fernandes (Republicanos/Assembleia de Deus); dos deputados federais Ronaldo Martins (REPUBLICANOS/Universal) e Dr Jaziel (PL/Assembléia de Deus); e da vereadora Priscila Costa (PSC/Assembleia de Deus). Martins, que disputou uma vaga para a Câmara Municipal, foi eleito o vereador mais votado da cidade, com quase 33 mil votos, e Costa foi reeleita com mais de oito mil votos, a quinta mais votada.

Com tais lideranças no seu entorno, várias sinalizações do candidato ao segmento foram realizadas, destacando-se a realização de duas lives na última semana do primeiro turno. A primeira, na quinta-feira (12), reuniu pastores para tratar da pauta "igreja como serviço essencial". A segunda, no sábado (14) antes da eleição, reuniu os deputados anteriormente citados para proferir uma série de ataques indiretos à candidatura do PDT, sobretudo por supostos apoios ao aborto, "ideologia de gênero" e "autoritarismo contra pastores e padres".

Uma série de mensagens de áudio, cujos autores dizem-se "pastores", circulam nas redes sociais dando conta de perseguições às igrejas caso o candidato do PDT ganhe a eleição. A acusação sempre é ao PDT, nunca ao candidato diretamente, permitindo explorar melhor a ideia de uma "esquerda anti-cristã". PDT, um partido que fecha igrejas, que prende padres e pastores, que é favorável ao aborto, que implanta a ideologia de gênero, que é contra a família: esse é o teor das mensagens.

A primeira pesquisa de intenção de voto neste segundo turno, realizada pelo Datafolha e publicada no último dia 21 de novembro confirmou a vantagem do candidato do PROS: tem 53% de intenções de votos entre evangélicos, contra 35% de Sarto.

Esses números podem ser resultado do trabalho efetivo feito dentro das igrejas para, por meio do pânico moral, garantir votos para o candidato. Na última semana, lideranças importantes gravaram vídeos de apoio a Wagner: Damares Alves, Silas Malafaia, Aline Barros, dentre outros. A aposta, ao que parece, é na fidelização desse eleitorado por meio da radicalização retórica: o "senhor está conosco", o "mal" está com eles. Para tanto, mesmo nomes do catolicismo carismático, como Eros Biondini e Eliana Ribeiro (ambos ligados à Comunidade Canção Nova), gravaram depoimento de apoio a Wagner.

A pergunta que fica é: com uma estabilidade tão considerável dentro deste segmento, um aceno mais radical a ele garantirá os votos que o candidato precisa para vencer a disputa? Uma vez que, ao que parece, parte dessa vitória deverá ser creditada a um dos candidatos pelos eleitores que votaram em Luizianne no primeiro turno (em torno de 18%), canalizar a gramática da campanha para um nicho do eleitorado que já caminha com ele é eficaz na contagem final dos votos?

A julgar pelos números da pesquisa IBOPE divulgada em 23 de novembro, parece que a aposta do QG do candidato de radicalizar o apoio evangélico tem sua razão. A intenção de votos dele entre evangélicos seria de 45% contra 40% do seu opositor, mostrando uma certa divisão do eleitorado, mesmo com a intensa mobilização das maiores lideranças. Por exemplo, nesta quarta o pastor Munguba Jr realizou uma live, às 5h da manhã, com o candidato.

Com essa intensa mobilização da retórica em torno da defesa do que se diz serem "os valores cristãos", Wagner sairá mais identificado com a gramática bolsonarista ao fim da eleição de 2020. Como dito no começo, até a promessa de "devolver Fortaleza aos cristãos", declaração tão ao gosto da falsa ideia de "cristofobia" difundida em ambientes bolsonaristas, opera nesse sentido, unindo-se à retórica de outras candidaturas que, neste segundo turno, utilizaram-se de tal modus operandi.

*Emanuel Freitas é graduado em Ciências Sociais (2020) pela UECE, mestre em Ciências Sociais (2013) pela UFRN e doutor em Sociologia (2018) pela UFC. Professor de Teoria Política do curso de Ciências Sociais e do Programa de Pós-Graduação em Planejamento e Políticas Públicas (UECE). Pesquisador do LEPEM-UFC.

Esse texto foi elaborado no âmbito do projeto Observatório das Eleições de 2020, que conta com a participação de grupos de pesquisa de várias universidades brasileiras e busca contribuir com o debate público por meio de análises e divulgação de dados. Para mais informações, ver: www.observatoriodaseleicoes.com.br

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.