PUBLICIDADE
Topo

Um ex-preso ganha e outro perde Banco estatal. Sobrevoe a Papuda, general!

Roberto Jefferson e Valdemar Costa Neto: ambos queriam o Banco do Nordeste. O segundo levou a melhor. Logo será preciso abrir um escritório do governo na Papuda - Reprodução
Roberto Jefferson e Valdemar Costa Neto: ambos queriam o Banco do Nordeste. O segundo levou a melhor. Logo será preciso abrir um escritório do governo na Papuda Imagem: Reprodução
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo, que publicou aqui o primeiro post no dia 24 de junho de 2006, é colunista da Folha e âncora do programa “O É da Coisa”, na BandNews FM. No UOL, Reinaldo trata principalmente de política; envereda, quando necessário — e frequentemente é necessário —, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Colunista do UOL

04/06/2020 08h15

É do balacobaco!

O governo Bolsonaro vai desmoralizar até a fisiologia!

O Conselho de Administração do Banco do Nordeste destituiu nesta quarta Alexandre Borges Cabral, que tinha sido empossado presidente da instituição na terça.

Seu padrinho é o ex-deputado Roberto Jefferson, que comanda o PTB — aquele que agora resolveu defender Bolsonaro de fuzil na mão e metralhadora na língua.

Conforme revelou reportagem do Estadão, o Tribunal de Contas da União (TCU) apura suspeitas de irregularidades em contratações quando Cabral presidia a Casa da Moeda, em 2018. O valor envolvido na investigação é de R$ 2,2 bilhões.

Então ele foi demitido por isso?

Olhem, se o critério for esse, vai ser difícil encontrar almas impolutas no fundão do Centrão. Afinal, o homem havia sido indicado por um ex-presidiário.

Ocorre que o busílis não está aí.

O cargo já tem dono. Pertence a um outro ex-presidiário: Valdemar Costa Neto, dono do PL.

Há dias, Bolsonaro afirmou que estava, sim, distribuindo cargos entre partidos, mas nada de entregar estatais e bancos...

Vê-se.

Na disputa dos ex-presidiários pelo Banco do Nordeste, Costa Neto levou a melhor.

Daqui a pouco, Jefferson posa com uma bazuca. O alvo será definido de acordo com o atendimento ou não de sua, como direi?, visão elevada do papel do Estado brasileiro.

Bolsonaro prometeu inovar e está inovando. Nunca antes na história deste país, o presidente de um banco estatal ficou um dia só no cargo porque ex-presidiários querem o mesmo banco.

O governo Bolsonaro já juntava ineficiência a autoritarismo. Agora soma as contribuições de Jefferson e Costa Neto, que sempre souberam ler os cofres públicos.

Mais um pouco, o general Fernando Azevedo e Silva terá de sobrevoar de helicóptero a Papuda. Para saudar as manifestações de apoio ao governo...

Viram? Quem disse que Bolsonaro não acredita na recuperação de presidiários? Acredita! Dá até banco para eles!

Reinaldo Azevedo