PUBLICIDADE
Topo

Emissários do diabo: canalha reaça defende pedofilia com fins reprodutivos

Grupo de autoproclamados "cristãos" tenta invadir hospital para impedir que menina estuprada de 10 anos seja submetida a aborto. Será mesmo que são arautos de Deus? Isso tem cara de ser coisa do capiroto... - Reprodução/Redes sociais
Grupo de autoproclamados "cristãos" tenta invadir hospital para impedir que menina estuprada de 10 anos seja submetida a aborto. Será mesmo que são arautos de Deus? Isso tem cara de ser coisa do capiroto... Imagem: Reprodução/Redes sociais
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo, que publicou aqui o primeiro post no dia 24 de junho de 2006, é colunista da Folha e âncora do programa "O É da Coisa", na BandNews FM. No UOL, Reinaldo trata principalmente de política; envereda, quando necessário - e frequentemente é necessário -, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Colunista do UOL

17/08/2020 08h37Atualizada em 17/08/2020 12h55

Uma menina que era estuprada pelo marido da tia desde os seis anos engravida aos 10. A mãe já morreu. O pai está preso. A Justiça determina a interrupção da gravidez, de acordo com o Código Penal, mas o hospital público ao qual ela recorre se nega a fazer o procedimento. Ela e a avó são obrigadas a viajar para outro Estado para que se possa fazer o aborto. Deus já parece morto nesta narrativa? Calma! Ainda falta que surja uma súcia para falar em Seu Nome e para, queira essa gente ou não, alinhar-se com a pedofilia — desde que para fins reprodutivos...

A menina mora em São Mateus, cidade a 218 km de Vitória, no Espírito Santo. A Justiça autorizou a interrupção da gravidez, de acordo com o Código Penal, mas os profissionais que atenderam a garota no Hospital Universitário Cassiano Antonio Moraes, vinculado à Universidade Federal do Espírito Santo, negaram-se a fazer o procedimento alegando que a gestação estava muito avançada — então na 21ª semana.

Acompanhada da avó e de uma assistente social, a criança viaja, então, para fazer o procedimento em Recife. Alguém — muito provavelmente do Hospital Universitário — vazou seu nome, e a militante bolsonarista Sara Winter, que usa codinome de uma personagem nazista, divulgou o caso nas redes, convocando os supostos cristãos a reagir. Cristãos? Arautos do diabo não fariam melhor!

O deputado estadual de Pernambuco Joel da Harpa (PP) foi às redes vomitar indignidades. Informou que o aborto seria realizado no Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros (Cisam), na zona norte da cidade. Escreveu:
"Há uma decisão ilegal e imoral (sic) do Estado do Espírito Santo, uma decisão judicial, que autoriza o aborto dessa criança. O feto já está com mais de 22 semanas, um verdadeiro absurdo. Há informações precisa (sic) que essa criança foi encaminhada de forma clandestina aqui para o Estado de Pernambuco (...). Um absurdo Pernambuco se tornar um local de homicídio de fetos."

"Homicídio de feto" é uma estupidez à altura da sua convocação. Ademais, é mentira que a decisão seja ilegal ou que a viagem tenha sido clandestina. O Código Penal ampara o aborto em caso de estupro e risco de morte da mãe. E o STF tornou legal a interrupção da gravidez no caso de fetos anencéfalos. Não há nenhuma disposição na legislação sobre o tempo da gestação. Ilegais, isto sim, são o vazamento do nome da criança, a recusa do Hospital Universitário em realizar o aborto e a divulgação do nome da vítima nas redes, como fez aquela que macaqueia o nome de uma nazista.

Joel da Harpa, ex-PM, tem em seu currículo ligado à liderança de uma greve de policiais. Grande patriota! Quem incentiva greve de policiais é aliado objetivo de bandidos — muitos deles matam pessoas. É ele o defensor da vida?

Informa o Estadão:
"Segundo testemunhas, entre 30 a 40 pessoas, a maioria homens, compareceram ao ato. Entre os integrantes do grupo, que se declara 'pró-vida', também estava a deputada estadual Clarissa Tércio (PSC-PE), que é casada com o pastor-vice-presidente da Igreja Assembleia de Deus, do Ministério Novas de Paz. Vídeos que circulam em redes sociais mostram os participantes rezando na entrada do hospital e hostilizando o médico Olímpio Barbosa de Moraes Filho, gestor-executivo do Cisam. Segundo testemunhas, Joel da Harpa também tentou forçar a porta da unidade para entrar, mas foi impedido por um PM."

DEUS NÃO TEM NADA COM ISSO
O que tem a ver com Deus quem quer impedir que uma menina de 10 anos, grávida em razão do estupro, seja submetida ao aborto? Ela já está correndo o risco de morrer porque desenvolveu diabete gestacional. Havendo manifestações que não são deste mundo em atos assim, então quem se expressa é o demônio da intolerância, da crueldade, da insensibilidade, da falta de empatia e, sim!, da pedofilia.

E é com isto que essa gente está condescendendo: com a pedofilia! Amenizada, no caso, pela reprodução. Pronto! Os extremistas mobilizados por Sara Winter estão defendendo, por consequência, a pedofilia, mas com fins reprodutivos. Gente asquerosa! Gente má! Gente ímpia!

OBJEÇÃO DE CONSCIÊNCIA
Entendo que tanto a Constituição, no Inciso VI do Artigo 5º -- que assegura a inviolabilidade de consciência -- como o Código de Ética Médica, no Artigo 28 -- que trata do respeito à integridade do paciente, independentemente até de sua vontade --, permitem que um médico alegue objeção de consciência e não faça o aborto, ainda que em circunstâncias malditas como essa. Isso não exime o Hospital Universitário da desídia óbvia: se nenhum profissional da casa aceitava a tarefa, que se chamasse alguém de fora.

Sara Winter... E alguns amigos meus, entre nefelibatas e selenitas, andam preocupados com decisões de Alexandre de Moraes que estariam violando a liberdade de expressão... Esses queridos e queridas ainda não entenderam que o direito de se defender não pode ser monopólio das tiranias. A democracia também tem de se proteger dos que tentam solapá-la. Confundir crime com liberdade de expressão é o caminho certo para tratar liberdade de expressão como crime. O primeiro erro costuma ser cometido por bons democratas. O segundo — que erro não é, mas cálculo — pelos fascistoides.

FALSOS DEFENSORES DA VIDA
Sara Winter, a ex-feminista que já protagonizou uma cena em que um boneco de Bolsonaro tinha o pênis cortado -- o que evidencia que a qualidade de sua militância não muda, não importa onde ela esteja --, viola a lei e divulga o nome de uma criança que já teve a vida destroçada. Ao se livrar do seu agressor, que está foragido, a menina tem de se haver com esses psicopatas, que chamam de Deus o demônio da intolerância e da violência.

Não é difícil justificar, segundo os rigores legais, a volta dessa lamentável figura para a cadeia. E aqueles que tentaram impedir o cumprimento da lei têm de responder pelos seus atos.

Uma senhora dita "católica" afirma que está empenhada em proteger a vida. É mesmo? Quantas crianças abandonadas em Recife estão à espera de uma alma caridosa como a sua?

Ah, mas aí o cristianismo desses hipócritas desaparece. De resto, sou capaz de jurar que esses "defensores da vida" são favoráveis à pena de morte e à posse e porte de arma. Em nome da vida claro...

Sei tudo o que escrevi sobre aborto e não mudei de opinião. A lei tem de ser cumprida.