PUBLICIDADE
Topo

Reinaldo Azevedo

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Queiroga aconselhou empresários. Faço o mesmo: caiam fora enquanto é tempo!

No governo há quase dois anos e meio, Bolsonaro tem uma única obra, digamos, notável: estimular atos golpistas. Cometeu crime de responsabilidade de novo no dia 1º de maio - Reprodução
No governo há quase dois anos e meio, Bolsonaro tem uma única obra, digamos, notável: estimular atos golpistas. Cometeu crime de responsabilidade de novo no dia 1º de maio Imagem: Reprodução
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo, que publicou aqui o primeiro post no dia 24 de junho de 2006, é colunista da Folha e âncora do programa "O É da Coisa", na BandNews FM. No UOL, Reinaldo trata principalmente de política; envereda, quando necessário - e frequentemente é necessário -, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Colunista do UOL

04/05/2021 07h16

Marcelo Queiroga, o tal que passa vergonha no Ministério da Saúde — ou melhor: deveria passar; como é um deles, não padece da faculdade de corar —, recomendou a empresários, numa reunião da Fiesp, que não anunciem em veículos de comunicação que não "contribuem com o Brasil". Contribuir com o Brasil, entenda-se, é fazer o exercício de genuflexão — que, então, seria remunerado. Aliás, já é muito bem pago hoje, ainda que por mecanismos cruzados.

Nas suas palavras:
"Não sei com que motivação [setores da imprensa] querem fazer isso para motivar a discórdia. Seria bom que vocês, da iniciativa privada e que fazem publicidade nesse tipo de comunicação, repensassem essas estratégias".

Eu também tenho um conselho aos empresários:

"Eu sei bem com que motivação gente como Queiroga fala o que fala. Seria bom que vocês, da iniciativa privada, caíssem fora e começassem a procurar uma saída. Como resta claro, esse governo já naufragou. A questão é saber o que vai junto para o fundo. Ou vocês acham que o país suportaria mais cinco anos e meio com esse nível de estupidez e de amadorismo? Sim, eu sei que é difícil ao empresariado mandar o governo às favas. Mas o descolamento não precisa ser anunciado, não é mesmo? Precisa ser feito."

Queiroga repete Bolsonaro, que, em outras ocasiões, já sugeriu que a imprensa seja estrangulada economicamente. Aliás, numa daquelas "lives" do "Cafofo do Osama", ele comemorou uma notícia sobre a queda de lucratividade de empresas jornalísticas. E isso num momento em que boa parte das empresas, em razão da gestão estúpida da crise, que é de sua inteira responsabilidade, está na lona. Por óbvio, a queda de lucratividade atinge todos os setores.

Sim, claro!, há aqueles empresários de chanchada, que ficam entre a sabujice e o humorismo, que não vão desistir nunca. Mas os que têm alguma responsabilidade sabem que é hora de construir alternativas. Bolsonaro está acuado. E não será fácil sair das cordas. E que se diga: para o bem da democracia brasileira, é bom que não saia mesmo. É falso que seus zumbis estejam pedindo golpe nas ruas porque o Congresso e o Supremo não deixam o homem governar.

Como não canso de lembrar, ele passou todo o ano de 2019 e parte do de 2020 estimulando atos golpistas. E não havia ainda contencioso nenhum. Como esquecer que seus fanáticos — à época, em associação com os outros psicopatas, os do lavajatismo — iam às ruas para atacar o deputado Rodrigo Maia, enquanto este se encarregava de levar adiante a reforma da Previdência? Só parou quando Fabrício Queiroz foi preso. Viu, então, no horizonte a chance de as coisas se complicarem para Flávio. Como esse risco agora é mais distante, então volta à ladainha golpista.

MAS APOIAR QUEM?
"Ah, Reinaldo, mas onde é que eu amarro meu burro?"

Bem, isso não posso dizer. Mas farei aqui algumas considerações para depois retomar o fio.

Luiz Inácio Lula da Silva, do PT, está em Brasília para conversar com quem quer conversar. Recebeu, por exemplo, o deputado Marcelo Freixo, ainda no PSOL, que deve disputar o governo do Rio. É pouco provável que permaneça na legenda. Busca um arco de alianças que pode incluir do PT ao DEM. Eduardo Paes, participando do "Ziriguidum do Demori e do Reinaldo", no ClubHouse — quando o entrevistado era justamente Freixo —, deixou clara a possibilidade de apoio. Não se descarta que Rodrigo Maia faça o mesmo. Notaram? Da esquerda à direita democrática, passando por centro e centrão, Lula está disposto a falar com todo mundo. Nos bastidores, diga-se, interlocutores seus conversam freneticamente. E sem preconceitos.

Ciro Gomes, do PDT, já botou seu bloco na rua e também faz acenos à esquerda — nesse caso, exclui-se, por motivos óbvios, o PT — e à direita não bolsonarista (o que é mais óbvio ainda). Nesse caso, centro e centrão viram as noivas cobiçadas de todo mundo. E não. Isso não é, em si, um mal, desde de que a força que lidere uma aliança tenha um propósito que não seja "mais desconstruir do que construir", a exemplo do que disse Bolsonaro mais de uma vez.

Ali pelo centro e centro-direita, a coisa está meio embolada. Há de tudo: de pré-candidatos explícitos, como João Doria (PSDB) — que responde por quase 80% das vacinas aplicadas no país — a candidatos ocultos, como Luciano Huck, que repete, por ora, a escrita da eleição passada, não sabendo se vai ou se fica, dedicando-se a articulações auriculares.

Para este escriba, continua a ser um mistério que o PSDB não chame para si o feito da vacina — em breve, "vacinas", no plural. Afinal, o mérito é de um de seus quadros. Mas isso fica para novo artigo. Há outros postulantes, como Luiz Henrique Mandetta (DEM), que fala logo mais na CPI. Também ele tem procurado ampliar a interlocução.

ENTÃO RETOMO
Notaram, senhores empresários? Enquanto esses políticos estão buscando ampliar alianças, Bolsonaro vai ficando a cada dia mais isolado, preferindo alimentar delírios golpistas. Para tentar se livrar de inquirições constrangedoras na CPI -- e elas virão porque assim são os fatos --, prefere botar o governo federal para trabalhar contra os governadores, o que, prestem atenção!, pode atingir até aliados seus.

Perguntem aí a seus botões e deixem que eles respondam: vocês acham mesmo que o país suportaria mais cinco anos e meio de crispações diárias, de incitações golpistas, de confrontos, de choque entre os Poderes, de isolamento internacional em razão da política ambiental, da política de saúde, da política de direitos humanos?

Sabem o acordo Mercosul-União Europeia. Subiu no telhado. Sem prazo. Sabem a entrada do Brasil na OCDE? Idem. Sabem a normalização das relações do Brasil com Estados Unidos e China? Também está à espera de que esse governo passe.

Sim, sim, senhores empresários! Vocês fizeram a grande bobagem de comprar um carro usado de Paulo Guedes. Mesmo experientes, caíram na conversa de que um ministro da Economia poderia controlar o presidente da República. Mas, ainda que o fizesse, quem disse que o resultado seria melhor? Guedes é só um Bolsonaro com um pouco mais de lustro. Mas é tão reacionário e atrasado como o chefe. Vejam o caso do fim e retomada do auxílio emergencial. Os quatro meses de paralisia produziram miséria, não equilíbrio nas contas públicas. Obra de Guedes!

Já erraram uma vez, não é mesmo, senhores? Basta, certo? Vejam o caso de Eduardo Bolsonaro, uma espécie de conselheiro do pai. Está saudando o golpe dado em El Salvador, imaginando que se possa repetir a experiência no Brasil.

Queiroga lhes deu um conselho, certo? Faço o mesmo: caiam fora enquanto é tempo.

Veja também comentário do Reinaldo sobre o tema no Youtube.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL