PUBLICIDADE
Topo

Reinaldo Azevedo

Sérgio Reis, em nova usurpação, prega golpismo a serviço do Rei do Gado

Sabem como é... Estamos no universo das metáforas. Quero expressar aqui o meu irrestrito respeito aos jumentos, que não são golpistas - Reprodução
Sabem como é... Estamos no universo das metáforas. Quero expressar aqui o meu irrestrito respeito aos jumentos, que não são golpistas Imagem: Reprodução
Conteúdo exclusivo para assinantes
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo, que publicou aqui o primeiro post no dia 24 de junho de 2006, é colunista da Folha e âncora do programa "O É da Coisa", na BandNews FM. No UOL, Reinaldo trata principalmente de política; envereda, quando necessário - e frequentemente é necessário -, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Colunista do UOL

16/08/2021 07h41

Todo momento de crise tem seus idiotas e seus patetas. O de agora trouxe à luz um personagem buliçoso, que ousa falar como líder dos caminhoneiros, como ruralista, como, pasmem!, um pensador: Sérgio Reis.

Em suas mensagens que circulam pelas redes, promete parar o país, emparedar o Supremo e, ora vejam!, intimar o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, a pôr para tramitar o impeachment de ministros do tribunal. A seus interlocutores, evidencia intimidade com o presidente da República — o que parece ser verdade, e isso não surpreende — e diz ter o apoio de poderosos. Segundo seu testemunho, participou de reuniões com generais também.

A piada é óbvia e já deve ter sido feita. Mas não vou evitar: há panelas velhas que fazem comidas intragáveis.

Mais uma óbvia? É base militante de uma nova versão de "O Rei do Gado". No caso, não se trata de uma novela rural, de que foi personagem, mas de um delírio fascistoide.

Este "sertanejo" nascido no bairro de Santana fala, afinal, em nome dos caminhoneiros? Segundo apurou Chico Alves em sua coluna no UOL, a resposta é "não". Assim como o cantor do iê-iê-iê meteu um chapelão na cabeça e se apresentou como um boiadeiro da Zona Norte, numa espécie de usurpação artística, resolveu também ser o usurpador da causa de uma categoria. Lideranças da área o chamam de aproveitador.

As suas "análises" políticas que circulam por aí evidenciam uma soma espetacular de ignorância e autoritarismo, compatível com a do líder que ele incensa.

A coisa mais inteligente que este senhor conseguiu dizer na vida está naquele que foi um de seus maiores sucessos, quando não tinha ainda decidido se fantasiar de sertanejo. Prestem atenção:
"Se você pensa que meu coração é de papel, não vá pensando, pois não é"

É um assombro do pensamento lógico-dedutivo.

Está cometendo crime? Começou a costear o alambrado. Vamos ver no que vai dar a agitação que está promovendo.

O risco é incidir na Lei 13.260.

"Nossa! A lei que pune crime de terrorismo, Reinaldo?"

Ela mesma!

Basta que decida cantar no dia do protesto golpista.