PUBLICIDADE
Topo

Reinaldo Azevedo

Coluna: Datafolha evidencia que o centro é Lula; 3ª via tem de mudar prosa

Ex-presidente Lula. Terceira via não decolou até agora, entre outras razões, porque Lula ocupou o discurso de centro - Zanone Fraiassat/Folhapress
Ex-presidente Lula. Terceira via não decolou até agora, entre outras razões, porque Lula ocupou o discurso de centro Imagem: Zanone Fraiassat/Folhapress
Conteúdo exclusivo para assinantes
Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo, que publicou aqui o primeiro post no dia 24 de junho de 2006, é colunista da Folha e âncora do programa "O É da Coisa", na BandNews FM. No UOL, Reinaldo trata principalmente de política; envereda, quando necessário - e frequentemente é necessário -, pela economia e por temas que dizem respeito à cultura e aos costumes. É uma das páginas pessoais mais longevas do país: vai completar 13 anos no dia 24 de junho.

Colunista do UOL

17/12/2021 06h21

Leiam trechos da minha coluna na Folha:
*
Em 2022, o centro é Lula. Também por isso aparece com 47% ou 48% das intenções de voto no Datafolha. Não estou, por exemplo, plenamente convencido de que Geraldo Alckmin vá mesmo ser o vice na chapa encabeçada pelo ex-presidente, mas a coisa em si nem é tão importante. O dado mais relevante é o fato de a composição ser debatida a sério. O petista lidera todos os levantamentos desde que seu nome voltou a ser testado pelos institutos de pesquisa. Nos números do Ipec, divulgados na quarta, tem 40% dos votos espontâneos. No Datafolha, 32%. Segundo ambos, venceria no primeiro turno.

Faltam ainda dez meses para a disputa, eu sei. Pode-se escrever isso de outro modo: falta menos de um ano. Neste texto, não conto com prisões arbitrárias e facadas à margem da história que fazem história. No começo de abril, o petista concedeu a este jornalista uma entrevista. Notei, então, que o tom mais duro das conversas que manteve quando preso cedia a uma mirada estratégica. Salivasse rancor, estaria fazendo o jogo dos seus inimigos, muito especialmente dos que o encarceraram sem provas.
(...)
"E o Alckmin lá do primeiro parágrafo, Reinaldo?" Alguém vê o ex-tucano como um aliado de extremistas? O flerte do ex-presidente com um conservador representa a admissão tácita de que o candidato viável de esquerda é o moderado. Quem quiser se estabelecer terá de ir além do "nem-nem". Que tal descobrir os pobres, por exemplo?
(...)
Íntegra aqui