PUBLICIDADE
Topo

Tales Faria

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Quem bajula mais o Bolsonaro? Aras e André Mendonça disputam no STF

Tales Faria

Tales Faria largou o curso de física para se formar em jornalismo pela UFRJ em 1983. Foi vice-presidente, publisher, editor, colunista e repórter de alguns dos mais importantes veículos de comunicação do país. Desde 1991 cobre os bastidores do poder em Brasília. É coautor do livro vencedor do Prêmio Jabuti 1993 na categoria Reportagem, ?Todos os Sócios do Presidente?, sobre o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello. Participou, na Folha de S.Paulo, da equipe que em 1986 revelou o Buraco de Serra do Cachimbo, planejado pela ditadura militar para testes nucleares.

Chefe da Sucursal de Brasília do UOL

08/04/2021 14h57

Essa é a verdadeira guerra revelada pelas sessões do Supremo Tribunal Federal sobre a realização de cultos nas igrejas durante a pandemia do coronavírus: quem é mais terrivelmente religioso e, portanto, apto a ser abençoado pelo presidente Jair Bolsonaro para assumir a vaga de ministro na corte?

Será o advogado geral da União e ex-ministro da Justiça, André Mendonça? Ou será o procurador-geral da República, Augusto Aras?

Como se sabe, o ministro Marco Aurélio Mello aposenta-se em julho. Bolsonaro já declarou que pretende indicar para a vaga no STF alguém que seja "terrivelmente evangélico".

André Mendonça é evangélico, de uma denominação nada "terrivelmente". Sempre se mostrou parcimonioso, tranquilo, ponderado.

Mas nos últimos tempos, aproximando-se a data de abertura da vaga no STF, assumiu uma roupagem, digamos, mais terrível, inclusive como ministro da Justiça, quando abusou da Lei de Segurança Nacional e de processos contra adversários do governo.

No entanto, nunca antes tínhamos visto o pacífico André Mendonça trincando os músculos da face como nesta sessão do Supremo em que declarou a disposição de morrer para manter a possibilidade de cultos durante pandemia.

Quanto a Augusto Aras, pensei até que fosse agnóstico tão poucas vezes o vi misturando assuntos religiosos com advocatícios.

Mas eu também havia pensado que ele não fosse um conservador, quando o petista Jaques Wagner trabalhava pela sua indicação no governo Dilma Rousseff. E ele acabou conquistando do terrivelmente conservador Jair Bolsonaro a indicação para a Procuradoria Geral da República.

Aras, no entanto, não é evangélico. Mas, nas sessões do Supremo sobre a abertura das igrejas durante a pandemia, mostrou-se terrivelmente religioso, misturando ciência e fé num confuso discurso para defender a tese do presidente da República.

Quem sabe assim Bolsonaro abre mão de nomear um ministro "terrivelmente evangélico" em favor de, talvez, um "neo terrivelmente religioso"?

Ou seja, enganou-se quem pensou que, nas sessões do STF, a grande disputa seria dos dois contra Gilmar Mendes e outros ministros. Ou mesmo entre Mendes e o magistrado Nunes Marques, recém-empossado por Bolsonaro.

Não. A grande guerra foi entre André Mendonça e Augusto Aras: quem puxa melhor o papo, digamos assim, de Bolsonaro.

https://youtu.be/iS89xnT0BGQ

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL