PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Palhaço doa fêmea de elefante e cria problema para prefeitura no interior de São Paulo

José Bonato<BR>Especial para o UOL Notícias<BR>Em Ribeirão Preto (SP)

01/11/2011 14h56

Uma fêmea de elefante indiano que trabalhou por 25 anos num circo e sabe tocar gaita, dançar e jogar futebol está com futuro incerto em Ribeirão Preto (313 km de São Paulo). Mayson, de 38 anos de idade, foi doada à cidade pelo palhaço Biriba, 83, mas o custo de R$ 1,3 milhão da instalação de um recinto para acomodá-la provocou críticas da população, e a prefeitura decidiu cancelar a obra.

A prefeita Dárcy Vera (PSD) busca agora uma alternativa mais econômica para que Mayson permaneça em Ribeirão Preto. Uma ideia é reduzir o valor da construção do espaço, no zoológico, para receber o animal. A prefeitura vai consultar a Secretaria de Estado do Meio Ambiente para saber se essa proposta é viável.

Os gastos para a acomodação do elefante são altos por questões de segurança, afirma Eliana Velocci, responsável em pelo escritório do Ibama (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis) na cidade. Por enquanto, Mayson está num recinto provisório no zoológico, onde deverá permanecer no máximo por 90 dias, sob pena de a prefeitura ser autuada se o prazo não for respeitado.

Além de Ribeirão Preto, os zoos de São Paulo, Sorocaba (99 km de São Paulo) e Leme (188 km de São Paulo) possuem elefantes no Estado, segundo o Ibama. São Paulo e Sorocaba poderão eventualmente receber Mayson caso ela não permaneça em Ribeirão.

Ivanir Perez Spindola, 47, nora do palhaço Biriba, afirmou ao UOL Notícias que, para a família, o mais importante é o bem-estar da elefante, independentemente do lugar para o qual o bicho for transferido.

“Ela é muito dócil, nunca deu problema para a gente.” O palhaço Biriba visita Mayson diariamente. Quando ele chega ao zoo, a elefante o reconhece e o “saúda” erguendo a tromba.

Mayson, que nasceu na Índia, viajou na companhia de Biriba para países de toda a América Latina nos últimos 25 anos. A família já recebeu oferta de US$ 150 mil (R$ 264 mil) pelo animal, mas não aceitou.

Cotidiano