PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Sete pessoas são mortas em madrugada violenta na zona norte de São Paulo

Peritos examinam local onde quatro pessoas foram baleadas na rua Alberto Buriti, na zona norte da capital paulista. Três não resistiram aos ferimentos e morreram - Eduardo Anizelli/Folhapress
Peritos examinam local onde quatro pessoas foram baleadas na rua Alberto Buriti, na zona norte da capital paulista. Três não resistiram aos ferimentos e morreram Imagem: Eduardo Anizelli/Folhapress

Do UOL, em São Paulo

06/11/2012 05h52Atualizada em 06/11/2012 12h00

A onda de violência que vive a cidade de São Paulo deixou sete pessoas mortas na madrugada desta terça-feira (6) na zona norte da cidade. Desse total, seis morreram baleados e um homem morreu atropelado por um ônibus, na Vila Brasilândia, pouco antes de o veículo ser incendiado.

Segundo a SSP-SP (Secretaria da Segurança Pública de São Paulo), também nesta madrugada, de ontem para hoje, seis foram baleados e três ônibus, incendiados.

Das seis vítimas por armas de fogo, três morreram após serem baleadas em uma chacina em um bar do Jardim Carombé, zona norte de São Paulo.

Também na região, três homens foram baleados no Jardim Guarani, ontem à noite, e dois morreram. Ainda ontem, dois filhos de um ex-policial da Rota (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar) foram baleados Vila Celeste, dentro de um carro, e um deles morreu. Os disparos foram feitos por um um homem desceu de um táxi e atirou contra os ocupantes do carro.

Já a vítima de atropelamento morreu ontem à noite ao ser atingida por um ônibus da Viação Santa Brígida. Segundo a polícia, um grupo roubou o veículo por volta das 20h e provocou um acidente na rua Santa Cruz da Conceição, no Parque Belém, zona norte da cidade.  Um dos criminosos assumiu a direção do coletivo e provocou o acidente na rua Santa Cruz da Conceição, com uma morte.

As mortes aconteceram dois dias depois que a policial militar Marta Umbelina da Silva, 44, foi assassinada na Vila Brasilândia, zona norte da capital paulista.

Reunião entre União e governo de SP

Hoje à tarde, às 13h, no Palácio dos Bandeirantes (sede do governo paulista), acontece uma reunião entre o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e o secretário de Segurança Pública de São Paulo, Antônio Ferreira Pinto, para discutir o combate à onda de violência no Estado.

A parceria entre os governos federal e estadual foi oficializada no último dia 1° em um telefonema em que a presidente Dilma Rousseff fez ao governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), para oferecer ajuda.

A reunião de hoje servirá para definir os termos da parceria, firmada após troca de acusações entre os dois governos sobre a situação da segurança pública em São Paulo. Na terça-feira (30), o Ministério da Justiça divulgou nota rebatendo acusações de que não teria oferecido ajuda ao governo estadual e reiterando a disposição de pactuar um plano de segurança pública integrado entre as esferas estadual e federal.

Ataques a ônibus

Quatro ônibus foram alvos de ataques na Vila Brasilândia nesta segunda-feira (5). Segundo a PM, por volta das 20h, um ônibus foi incendiado na rua Deputado Cantídio Sampaio. A Polícia Militar não soube informar detalhes sobre o que aconteceu. Não há informações sobre feridos.

Mais cedo, por volta das 13h, dois ônibus foram apedrejados na mesma avenida durante protesto contra a morte de um adolescente de 16 anos, que foi atropelado. As informações são da rádio "CBN".

Ainda segundo a rádio, um outro ônibus foi danificado depois que um grupo de cerca de 30 pessoas com paus e pedras obrigaram motorista, cobrador e passageiros a descerem do veículo.

A reportagem da "CBN" informa que uma pessoa assumiu a direção do ônibus e acabou atropelando e matando um idoso de 60 anos, batendo em um poste e atingindo duas casas.

Cotidiano