Topo

Três detidos por morte de dentista confessaram o crime, diz delegado

Tércio Teixeira/Futura Press e Adriano Lima/Brazil Photo Press
À esquerda, o menor suspeito de participar do crime e à direita Vitor Miguel dos Santos Imagem: Tércio Teixeira/Futura Press e Adriano Lima/Brazil Photo Press

Do UOL, em São Paulo

2013-04-27T16:07:33

2013-04-27T16:35:18

27/04/2013 16h07Atualizada em 27/04/2013 16h35

Os três detidos acusados de participar da morte da dentista Cinthya Magaly Moutinho de Souza, 46, confessaram ter cometido o crime, afirmou o delegado geral da Polícia Civil Luiz Maurício Blazeck, em entrevista coletiva neste sábado (27). Segundo ele, o crime já foi esclarecido, e um quarto suspeito ainda está foragido --trata-se de Tiago de Jesus Pereira.

Polícia prende três suspeitos de matar dentista no ABC; veja

A dentista foi queimada viva dentro de seu consultório, em São Bernardo do Campo (ABC Paulista), na quinta-feira (25), após os assaltantes constatarem que havia apenas R$ 30 em sua conta bancária

Segundo reportagem da Folha de S. Paulo, a prisão dos suspeitos aconteceu por volta das 3h deste sábado, na favela Santa Cruz, na divisa de Diadema com São Bernardo. Entre os presos está Jonatas Cassiano Araújo, 21, cuja prisão foi decretada ontem pela Justiça de São Paulo. Os outros dois suspeitos tinham tido o retrato falado divulgado pela polícia: Vitor Miguel dos Santos da Silva, 24, e um menor de idade.

Segundo o delegado, a polícia conseguiu recuperar a arma do crime e um anel da dentista, que estava na carteira de um dos detidos. 

O assalto

Os criminosos invadiram a clínica odontológica de Cinthya e dois deles roubaram o cartão de crédito da vítima para fazer um saque em um caixa eletrônico. Após constatarem que a dentista só tinha R$ 30 na conta, eles retornaram ao consultório, atearam fogo em seu corpo e fugiram.

Cinthya atendia uma paciente --cujo nome não foi divulgado-- quando os criminosos apertaram a campainha. Um dos bandidos disse que precisava de atendimento odontológico, e a dentista abriu o portão, momento em que mais dois criminosos invadiram a casa. A paciente ficou com os olhos vendados durante todo o assalto e teve a bolsa, o celular e dinheiro roubados.

A paciente, segundo a investigação, conseguiu ouvir a dentista gritando "não façam isso" e pedindo socorro. "Ela tentou apagar o fogo quando os bandidos fugiram, mas não foi possível. A dentista morreu em menos de três minutos", disse o delegado seccional de São Bernardo, Waldomiro Bueno Filho.

O consultório de Cinthya funcionava nos fundos de sua casa. Ela morava com os pais e uma irmã, que tem deficiência mental. O pai dela, Viriato Gomes de Souza, 70, afirmou que ela não costumava ficar sozinha em casa no horário do almoço.

"Ela ia buscar a irmã na escola, mas, como tinha uma paciente, eu fui com a minha mulher." Quando o pai chegou à rua, viu a movimentação na frente de casa. Foi avisado pelos vizinhos da morte da filha. "Quis entrar, tentei reanimá-la, mas já não dava para fazer nada", disse.

Emocionado, ele diz não saber o motivo de tamanha brutalidade. "Ela era uma pessoa boa, sem inimigos. Agora, a gente não sabe o que vai fazer da vida, se continuará morando lá. Espero que ninguém precise passar pela dor que estou passando", afirmou.

O corpo de Cinthya foi enterrado nesta sexta-feira (26) no Cemitério Municipal de São Bernardo do Campo. O caixão foi comprado mediante doações dos vizinhos e amigos da vítimas, que se sensibilizaram com a situação da família.

Latrocínios crescem 275% no ABC

O número de latrocínios no ABC Paulista, na Grande SP, cresceu 275% no primeiro trimestre de 2013 se comparado com o mesmo período do ano passado, quando foram registrados quatro casos de roubo seguido de morte. Nos primeiros três meses deste ano, o índice nos sete municípios da região subiu para 15. Os dados foram divulgados na quinta-feira (25) pela SSP.

O maior aumento ocorreu em Diadema, que teve seis latrocínios este ano. A cidade fechou o primeiro trimestre do ano passado sem nenhum registro deste tipo de crime. São Bernardo do Campo ocupou a segunda colocação do ranking, com três casos.