PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Paralisação de motoristas e cobradores prejudica 140 mil em Campinas (SP)

Fabiana Marchezi

Do UOL, em Campinas

08/05/2014 10h39Atualizada em 08/05/2014 10h39

Uma paralisação inesperada de motoristas e cobradores de ônibus prejudica mais de 140 mil passageiros na manhã desta quinta-feira (8), em Campinas (a 93 km de São Paulo).

Os trabalhadores de 284 ônibus das 43 linhas que compõem a Linha Verde, operada pela  VB3, decidiram cruzar os braços para reivindicar aumento salarial de 17% e redução da jornada de trabalho para seis horas por dia.

A Linha Verde atende as regiões dos Amarais, do Corredor Abolição, a Rodovia Governador Adhemar de Barros (SP-340), a Campinas – Mogi, além dos distritos de Barão Geraldo e Sousas.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Campinas e região, Matusalém de Lima, desde as 4h30 de hoje, 100% da linha está parada, mas a greve não foi programada pela entidade.

“O sindicato também também foi pego de surpresa. Essa manifestação não foi programada. Os trabalhadores decidiram entre eles. Vamos fazer uma assembleia com eles ainda nesta manhã, após uma reunião com a Associação das Empresas de Transporte Urbano de Campinas, que representa a VB3, para tentar explicar aos manifestantes a pauta que já vem sendo negociada com as empresas para que eles voltem ao trabalho e a população não seja ainda mais prejudicada”, disse.

Segundo o sindicato, a data-base de 2014 vem sendo negociada desde o dia 1° de maio e o acordo deve sair até o próximo dia 20.

Além dessas reivindicações, que já vêm sendo negociadas pela entidade, os motoristas da linha 3.53 (centro - alphaville) pedem a volta dos cobradores, por questões de segurança.

“Agora que sabemos dessa reivindicação, vamos acrescentar o assunto na pauta. O problema é que a maioria dos usuários dessa linha ainda paga em dinheiro, não utiliza cartão e isso vem deixando os motoristas inseguros e sobrecarregados”, afirmou Matusalém.

Conforme informou a Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec), a VB3 transporta cerca de 142 mil pessoas nos dias úteis. Entretanto, a Emdec informou que a região também é atendida pela empresa Pádova e pelas cooperativas Altercamp e Cotalcamp, e que esses coletivos estão circulando normalmente.

Além disso, 28 veículos de outras empresas foram remanejados para atender as linhas prejudicadas pela paralisação.

O UOL tentou contatar a VB3 e a Associação das Empresas de Transporte Urbano de Campinas (Transurc), mas ninguém foi encontrado para comentar o protesto.

Cotidiano