Topo

SP pode usar novas cotas do volume morto do Cantareira; saiba o que são

Imagem aérea mostra carcaças de veículos na represa Atibainha, em Nazaré Paulista (a 90 km de São Paulo), um dos reservatórios do sistema Cantareira - Moacyr Lopes Junior/Folhapress
Imagem aérea mostra carcaças de veículos na represa Atibainha, em Nazaré Paulista (a 90 km de São Paulo), um dos reservatórios do sistema Cantareira Imagem: Moacyr Lopes Junior/Folhapress

Fabiana Maranhão

Do UOL, em São Paulo

21/10/2014 18h57Atualizada em 21/10/2014 19h27

Com o baixo nível dos reservatórios e a falta de chuva, São Paulo já considera usar uma terceira parte do volume morto do sistema Cantareira, que abastece um terço da Grande São Paulo (6,5 milhões de pessoas).

O volume morto é a água que fica no fundo das represas e que exige o uso de bombas para ser captada. Fica abaixo do chamado volume útil, que tem capacidade para armazenar, no caso do Cantareira, cerca de 1 trilhão de litros de água. Atualmente, essa reserva útil está vazia.

O que é o volume morto?

  • Arte/UOL

    Infográfico

    É a água que fica no fundo das represas; saiba mais

O volume morto do Cantareira tem cerca de 500 bilhões de litros de água, segundo cálculos do governo estadual. Com essa quantidade, é possível abastecer durante pouco mais de três meses toda a população da capital paulista.

Volume morto do Sistema Cantareira

  • Moacyr Lopes Junior/Folhapress

    Primeira cota

    A primeira parte do volume morto do Cantareira, com 182,5 bilhões de litros de água, começou a ser captada em 15 de maio deste ano. À época, o nível do Cantareira estava em 8,2% e subiu para 26,7%. Em 22 de outubro, chegou a 3,2%, o menor nível da sua história.

  • Moacyr Lopes Junior/Folhapress

    Segunda cota

    Diante da estiagem e do baixo nível das represas, o governo do Estado pediu permissão aos órgãos reguladores do Cantareira para usar uma 2ª parte do volume morto, com 106 bilhões de litros de água. A ANA (Agência Nacional de Águas) e o DAEE (Departamento de Águas e Energia Elétrica) concordaram com o uso. Essa água começou a ser utilizada na segunda quinzena de novembro, quando a 1ª cota terminou.

  • Moacyr Lopes Junior/Folhapress

    Terceira cota

    Sem previsão de chuva forte, o governo do Estado considera usar uma terceira parte do volume morto, que tem pouco mais de 200 bilhões de litros de água. O governador Geraldo Alckmin (PSDB) se referiu a essa cota pela primeira vez em 21 de outubro, mesmo dia que o presidente da ANA, Vicente Andreu, classificou essa parte como "ralo do reservatório, o lodo".

Uma primeira parte, com 182 bilhões de litros, começou a ser retirada em maio deste ano. À época, o nível do Cantareira estava em 8,2% e passou para 26,7%.

Passados cinco meses, a temporada de chuvas fortes ainda não chegou, e o nível do Cantareira atinge recordes negativos a cada dia. Nesta terça-feira (21), o índice estava em 3,3%, percentual de água que resta dessa primeira parte do volume morto.

Diante disso, o governo do Estado pediu autorização aos órgãos reguladores dos recursos hídricos para usar uma segunda parte do volume morto, com 106 bilhões de litros de água.

A ANA (Agência Nacional de Águas) autorizou o uso desta segunda cota em 17 de outubro, mas o governo precisa também do aval do DAEE (Departamento de Águas e Energia Elétrica), que ainda não se manifestou.

Sem previsão de chuva forte para o mês de outubro, o governo do Estado já considera usar uma terceira parte do volume morto, que tem pouco mais de 200 bilhões de litros de água.

Nesta terça, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) se referiu a essa cota pela primeira vez. "Nós já passamos o período da seca, já entramos na primavera, nem entramos na segunda reserva técnica e temos uma terceira reserva técnica", afirmou em entrevista à rádio Jovem Pan.

No mesmo dia, o presidente da ANA, Vicente Andreu, classificou essa terceira parte do volume morto como "ralo do reservatório, o lodo", durante debate na Assembleia Legislativa de São Paulo. Segundo ele, ela pode ser captada, mas seria "tecnicamente complicado".

A reportagem do UOL ouviu especialistas sobre uso do volume morto, que pode acumular sujeira, sedimentos e até metais pesados. Segundo eles, se não receber um tratamento adequado, essa água pode trazer riscos à saúde. Eles também chamaram a atenção para os danos ambientais.

Mais Cotidiano