Topo

MP irá pedir indenização para pelo menos 550 vítimas da tragédia de Minas

Agentes do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil retomaram, neste sábado, a busca por vítimas  atingidas pelo rompimento das barragens em MG - Márcio Fernandes/Estadão Conteúdo
Agentes do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil retomaram, neste sábado, a busca por vítimas atingidas pelo rompimento das barragens em MG Imagem: Márcio Fernandes/Estadão Conteúdo

Carlos Eduardo Cherem

Colaboração para o UOL, em Mariana (MG)

07/11/2015 15h57

Os processos de indenizações das vítimas da tragédia ocorrida em Mariana (MG),esta semana devem demorar mais de uma década para serem concluídos. O promotor de Justiça de Mariana, Guilherme de Sá Meneghin, 32, afirmou neste sábado (7) que 552 pessoas até o momento, a maioria idosos e adultos, estão registrados como vítimas da tragédia, e hospedados em hotéis e pousadas do município.

"Esses processos são extensos e podem ter um período de duração superior a dez anos", disse o promotor. Segundo Meneghin, o número de vítimas no município devem chegar a 1.500 pessoas.

"Ontem (sexta-feira -- 6), foram abertas pela Polícia Civil as investigações sobre o crime ambiental e o homicídio culposo, já que há vítimas fatais, que terão a participação do MP (Ministério Público). Essas investigações vão apontar as responsabilidades da Samarco sobre esses dois crimes", afirmou.

Ele explicou que o MP vai ficar responsável pelas apurações dos danos ambientais, o que pode render indenização coletiva e multas ambientais milionárias contra a Samarco, além dos processos individuais.

"Instauramos nesta sexta-feira (6) o inquérito civil no MP, para embasar os processos na Justiça, para embasar os pedidos de indenizações, além de fiscalizar as ações da Samarco na ajudas às vítimas", disse o promotor.

"É isso que tenho de assegurar, os prejuízos que essas pessoas tiveram, decorrentes do rompimento das barragens, e os prejuízos com os lucros cessantes (quando essas pessoas deixam de ganhar)", disse.

"Essas pessoas têm direito de alimentação, vestuário, saúde, educação (crianças e adolescentes), e moradia. As vítimas -- até o momento 552 pessoas -- estão hospedadas em hotéis e pousadas com tudo sendo custeado pela Samarco. A Prefeitura de Mariana está providenciando escolas para as vítimas que são estudantes", disse o promotor.

Ex-delegado da PC (Polícia Civil) de Minas Gerais, Guilherme de Sá Meneghin, 32, natural de Ouro Preto (MG), município vizinho a Mariana, é promotor de Justiça do município há quatro anos. Ele explicou ainda que os processsos em Barra Longa, município vizinho a Mariana, que também foi atingido pela tragédia, deverá ficar a cargo do MP da comarca de Ponte Nova (MG), responsável pelo município.

"Não tem jeito. Vai ser o caso mais importante que devo ter como promotor de Justiça em toda vida", afirmou Meneghin.

Vídeo mostra rompimento de barragem e desespero

UOL Notícias

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Cotidiano