Garotas de 14 e 15 anos 'inventaram' estupro coletivo, diz polícia de MG

Carlos Eduardo Cherem

Colaboração para o UOL, em Belo Horizonte

Um estupro coletivo inventado por duas adolescentes. Essa é a conclusão da Polícia Civil de Minas Gerais sobre uma denúncia de crime sexual feita pela mãe de uma menina da cidade de Machado (a 378 km de Belo Horizonte). Duas garotas, de 14 e 15 anos, alegaram que foram dopadas e estupradas por mais de 20 homens no último final de semana (18 e 19 de junho).

Em anúncio feito nesta segunda-feira (27), a polícia informa que "resolveu o caso descobrindo que a história foi toda inventada pelas adolescentes". Em um segundo depoimento, na semana passada, as duas teriam confessado a farsa, segundo o delegado Juliano Lago.

As garotas chegaram a listar para a polícia o nome de 24 pessoas como responsáveis pelo crime, seis jovens chegaram a ser detidos por causa da denúncia e ainda houve um tiroteio nas buscas pelos suspeitos.
 
"Em um primeiro momento, as jovens alegaram terem sido estupradas por 24 homens durante uma festa. Na sequência, seis dos apontados como responsáveis, todos menores, foram apreendidos e interrogados. Todos eles disseram que uma delas teria mantido relação sexual consensual com três deles", disse o delegado.
 
Após conversar com os garotos, Lago diz que percebeu incoerências nos depoimentos das meninas. "Como os depoimentos deles foram bastante coerentes, resolvemos confrontar as supostas vítimas com as informações e elas acabaram confessando que o estupro coletivo não aconteceu. Era tudo mentira."
 
Segundo o delegado, exames periciais colhidos nas jovens também acabaram por fortalecer os indícios de que a denúncia foi "inventada". Apesar dos sinais de relação sexual recente em uma das garotas, não havia marcas de lesões corporais.
 
A motivação da mentira, no entanto, surpreendeu os policiais. "As adolescentes confessaram que têm amigos em uma gangue da cidade. Teriam criado a história na tentativa de incriminar membros de uma gangue rival."
 
As supostas atividades criminosas desses grupos são alvos de investigações da Polícia Civil. Entre os crimes estão homicídio e tráfico de drogas. Por conta disso, os seis menores permanecerão apreendidos.

 

 

Queixa de estupro

A queixa foi registrada pela mãe de uma das adolescentes. A polícia deu início às investigações e chegou a trocar tiros com um foragido de um presídio na região de Machado, considerado suspeito, que acabou escapando, na quarta-feira (22).

No boletim de ocorrência, a mãe que denunciou contou que as adolescentes disseram que foram dopadas e violentadas por mais de 20 homens em uma casa na qual teriam ficado trancadas no fim de semana. No local indicado por elas, a polícia localizou colchões, um sofá, uma TV e garrafas vazias de bebidas alcoólicas.

Ainda de acordo com o depoimento da mãe de uma das vítimas, as duas garotas teriam sido abordadas por homens armados quando caminhavam por uma rua próxima à casa de uma delas. Em seguida, foram obrigadas a acompanhá-los.

A mãe chegou a listar para a polícia os 20 nomes dos supostos estupradores e afirmou que as meninas estavam traumatizadas. Ela havia dito ainda que sua filha "traumatizada para o resto da vida" nem estava comendo.

As mães das envolvidas alegaram nesta segunda-feira (27)  que também foram vítimas da farsa das filhas, de acordo com o delegado Lago. O policial informa que as duas garotas serão investigadas pelo crime análogo à denunciação caluniosa, previsto no artigo 339 do Código Penal. podendo ser punidas com medidas socioeducativas. Também serão encaminhadas pelo Conselho Tutelar para tratamento psicológico.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos