PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Em SC, menino ganha alimentos para doação em vez de presentes no aniversário

Leonardo Zuanazzi, morador de Quilombo (SC), completou nove anos na quinta-feira (dia 7) e arrecadou 70 quilos de cesta básica - Arquivo pessoal
Leonardo Zuanazzi, morador de Quilombo (SC), completou nove anos na quinta-feira (dia 7) e arrecadou 70 quilos de cesta básica Imagem: Arquivo pessoal

Aline Torres

Colaboração para o UOL, em Florianópolis

08/07/2016 16h06

Leonardo não consegue entender como tem uma mesa farta em casa enquanto algumas pessoas passam fome. Quando o irmão caçula Lucas, de 3 anos, pensa em deixar sobras no prato, ele logo ensina: “tu não pode [sic] desperdiçar comida, mano, tem gente que não tem nada”.

Solidário com os menos favorecidos, ele ficou feliz quando os pais propuseram que nesse aniversário, em vez de presentes, ele ganhasse alimentos para doar. O menino, morador de Quilombo, município no oeste de Santa Catarina, completou nove anos na quinta-feira (dia 7) e arrecadou 70 quilos de cesta básica.

“A solidariedade é uma característica dele. Nós não precisamos falar para ele dividir o lanche ou os brinquedos com os amigos. É natural. Então, resolvemos estimular essa bondade”, conta o pai, Eloir Zuanazzi, de 38 anos.

É possível que Leonardo tenha sido 'contaminado' por uma prática da família. Nas principais datas festivas – Natal, Páscoa, Dia das Crianças –, eles distribuem presentes para famílias carentes. Nessas ocasiões, Leonardo se encarrega de partilhar os donativos.

“Ele adora esses dias. Não menospreza os outros porque têm menos dinheiro. Ele é carinhoso, abraça e beija as pessoas. É um menino fantástico”, completou Eloir.

O aniversário de Leonardo foi celebrado com doces, parabéns, futebol e brincadeiras. Mas o que diz ter gostado mais foram os presentes: quilos de arroz, feijão, açúcar e farinha. “Eu entreguei para o hospital e para uma família pobre”, disse.

A administradora do hospital São Bernardo, Luciene Basso Meurer, 44 anos, recebeu os alimentos e disse ter se sentido inquieta. “O gesto dele me fez refletir. A gente pensa muito em ter e se esquece da caridade, das necessidades dos outros, que podem ser maiores que as nossas. Se cada um fizesse o que ele fez o mundo seria bem mais bonito”, conta.

A festa foi na sede recreativa da cooperativa Aurora, empresa onde o pai trabalha. A mãe de Leonardo, Michele conta que, mesmo sem ganhar presentes, o filho se divertiu. “Ele tem muitos amigos, todos gostam dele. É um menino que adora futebol e de participar dos escoteiros. Desse jeito ele é feliz. Não gostamos de enchê-lo de coisas. Ele tem o suficiente, não precisa de mais.”

Cotidiano