PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Pastor suspeito de roubar igrejas e chefiar quadrilha é preso em São Paulo

Divulgação / Polícia Civil
Imagem: Divulgação / Polícia Civil

Wanderley Preite Sobrinho

Colaboração para o UOL

25/08/2017 18h57

Um pastor de 37 anos foi preso na quinta-feira (24) acusado de liderar uma quadrilha que furtava igrejas evangélicas e roubava fiéis no litoral e interior de São Paulo. Givanildo Borges, que pregava na Igreja Mundial do Poder de Deus, foi capturado quando trabalhava em uma farmácia na capital paulista.

De acordo com o Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), o pastor era o chefe do grupo. Sua estratégia consistia em entrar nas igrejas, se apresentar como pastor e pedir orientações ao religioso responsável pelo templo. “Dessa forma, obtinha informações sobre o dízimo e objetos de valor. Na sequência, o bando invadia a igreja e roubava o dinheiro e os pertences dos fiéis.”

Segundo as vítimas, o grupo liderado pelo pastor “agia com extrema violência”. Ao todo, foram seis crimes em templos evangélicos, nos municípios da Baixada Santista e um na cidade de São Roque, a 62 quilômetros da capital.

Apenas a Igreja Universal do Reino de Deus foi roubada cinco vezes no Estado de São Paulo: em São Roque, Peruíbe, Cubatão, Mongaguá e Guarujá. Mas a quadrilha também é suspeita de furtar uma casa em Bertioga e uma empresa de produtos eletrônicos em Santos.

As investigações começaram em abril deste ano, quando um templo em Cubatão foi assaltado. “Foi apurado que o bando escolhia a igreja, chegava no final do culto e esperava o movimento diminuir para praticar o roubo”, detalha a Polícia Civil.

O pastor foi identificado na quarta-feira (23), mas a prisão só aconteceu na quinta. Ele trabalhava há dois meses como balconista em uma farmácia no bairro de Santana, zona norte da capital.

Procurada pela reportagem, a Igreja Mundial do Poder de Deus da Vila dos Pescadores, em Cubatão, onde Borges pregava, afirma que lhes faltam “informações concretas e reais” que possam condenar seu antigo pregador.

Segundo o diretor jurídico da igreja, Rodrigo Braga, o Borges abandonou a igreja de uma hora para outra. Sem notícias sobre seu paradeiro, o rapaz foi desligado do quadro de pastores um mês depois. “Foi quando tomamos conhecimento de que ele estava foragido, diante da acusação de integrar essa quadrilha que furtava as igrejas.”

Cotidiano