Defesa deseja boa noite a cada um dos jurados de chacina em SP e irrita promotor

Luís Adorno

Do UOL, em São Paulo

  • GUILHERME RODRIGUES/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

    Julgamento da chacina que deixou 23 mortos na periferia de SP em 2015 entra na reta final

    Julgamento da chacina que deixou 23 mortos na periferia de SP em 2015 entra na reta final

O comportamento de um advogado de defesa em relação a jurados durante o julgamento de réus pela chacina com 23 vítimas na periferia de São Paulo chamou a atenção do promotor do caso nesta quinta-feira (21). No banco dos réus estão dois policiais militares sob a acusação de matar 17 pessoas, na chacina que deixou mais sete feridos nas cidades de Osasco e Barueri no dia 13 de agosto de 2015. Um guarda civil também está sendo julgado.

O promotor do caso, Marcelo Alexandre de Oliveira, se disse incomodado com o fato de o advogado Nilton Nunes, que defende o policial militar Fabrício Eleutério, ter, ao fim de sua explanação, desejado "boa noite" aos jurados, citando-os nome por nome. Nunes completou a despedida dizendo: "Que possam refletir sobre tudo o que ouviram hoje com calma e que Deus os abençoe".

Oliveira afirma que Nunes pode ter causado sensação de insegurança nos jurados ao citá-los nominalmente e deve levar o caso a debate nesta sexta-feira, quando devem acontecer réplica, a tréplica e decisão final do julgamento. 

"Se ele [Nunes] tiver feito isso de boa fé, é muito ingênuo. Se fez de má-fé, foi provavelmente para amedrontar. E aí é caso de [acionar a] OAB [Ordem dos Advogados do Brasil]", afirmou Oliveira na saída do júri. "Vou dizer aos jurados amanhã que tenham coragem", disse. 

Nunes afirmou que não infringiu nenhuma lei, tampouco foi antiético. "Não há nenhuma proibição, é normal. Não faltei com a ética em nenhum momento. Foi uma questão de educação", afirma.

Esta sexta (22) será o quinto dia do julgamento da maior chacina do Estado de São Paulo.

Hoje pela manhã, o promotor Oliveira tentou convencer os sete jurados, sendo quatro homens e três mulheres, do envolvimento dos três réus, Fabrício Eleutério, Thiago Henklain e Sérgio Manhanhã, nos homicídios múltiplos.

No período da tarde, foi a vez da defesa falar. Cada advogado teve direito a uma hora para buscar convencer os jurados de que os réus são inocentes. Tomaram a frente do plenário, respectivamente, Evandro Capano (defensor de Henklain), Abelardo da Rocha (Manhanhã) e Nilton Nunes (Eleutério).

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos