PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Preso suspeito por sumiço de menina que saiu de casa para patinar em SP

Vitória Gabrielly Guimarães Vaz, de 12 anos, está desaparecida desde o último dia 8 - Reprodução
Vitória Gabrielly Guimarães Vaz, de 12 anos, está desaparecida desde o último dia 8 Imagem: Reprodução

Fabiana Marchezi

Colaboração para o UOL

16/06/2018 11h05

A Polícia Civil de Araçariguama, no interior de São Paulo, prendeu na noite desta sexta-feira (15) o principal suspeito de envolvimento no sumiço da menina Vitória Gabrielly Guimarães Vaz, de 12 anos. O corpo da menina foi encontrado na tarde deste sábado (16).

De acordo com a polícia, Julio Cesar Lima Ergesse, de 24, se entregou assim que teve a prisão temporária, de 5 dias, decretada pela Justiça de São Roque, cidade vizinha.

O suspeito mora em Mairinque, município que fica a 20 quilômetros de Araçariguama. Ele trabalha como servente de pedreiro e disse à polícia que é usuário de drogas. Os investigadores chegaram até ele após uma denúncia.

"Ele contou para um conhecido que esteve em um carro com a menina. Essa pessoa ficou muito assustada e procurou a polícia", disse ao UOL, o delegado Acácio Leite, da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Sorocaba. Uma das hipóteses investigadas é de que Vitória tenha sido raptada por engano por causa de uma dívida relacionada ao tráfico de drogas. “Existe a possibilidade de que os suspeitos estivessem em busca de uma outra menina como forma de vingança, mas levaram Vitória, por engano”, contou Leite. Outras versões também são apuradas.

Leia mais:

“Ainda não descartamos nenhuma hipótese, mas as investigações estão avançando”, completou. Junto à prisão de Ergesse, a Justiça determinou sigilo nas investigações a partir de agora. O suspeito já foi encaminhado à Cadeia Pública de Pilar do Sul, segundo a Secretaria de Segurança Pública do Estado.

Ergesse virou suspeito no caso depois de apresentar várias versões diferentes em seus depoimentos. “Ele é muito contraditório. Já contou pelo menos seis versões diferentes, mas confessou que esteve com a menina. Em uma de suas versões, ele se coloca em um carro que teria sido usado por um casal para levar Vitória a Mairinque. Ele tenta incriminar esse casal, mas a versão dele, que diz ter pego carona no mesmo carro que a menina, não se sustenta”, disse o delegado seccional de Sorocaba, Marcelo Carriel.

O casal citado pelo suspeito também é alvo da polícia e já foi ouvido. “Foi feita acareação entre ele e o casal que ele tenta incriminar, mas a versão dele não se sustenta. Por enquanto, o casal está apenas sendo investigado. O veículo que supostamente teria sido usado no crime já foi apreendido e passou por perícia. A perícia não encontrou nenhum rastro da menina no carro e o casal nega qualquer participação no sumiço”, ressaltou Carriel.

Ao longo desta semana, as buscas pela menina mobilizaram a população e equipes de segurança da região onde a menina mora. Ao menos 50 pessoas já foram ouvidas. Equipes da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Sorocaba e do Departamento Estadual de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP) reforçam as investigações.
“Não perderei a esperança nunca. Tenho muita fé de que ela será encontrada bem”, disse Roberto Vaz, pai de Vitória.

O caso

Vitória Gabrielly Guimarães Vaz saiu de casa para ir a um ginásio de esportes andar de patins com uma amiga da escola. Entretanto, quando Vitória já estava a caminho, a amiga teria desistido. Mesmo assim, Vitória seguiu caminho. Imagens de câmera de segurança flagraram o momento em que ela parou na esquina da escola onde estuda, que fica no caminho para o ginásio.

Segundo a polícia, testemunhas contaram que a menina foi abordada por um homem que estava em um carro preto, assim que chegou ao ginásio. Entretanto, elas não viram se Vitória entrou no veículo. O carro descrito pelas testemunhas também foi apreendido e passou por perícia, mas nada foi achado nele. O dono do veículo também foi ouvido e liberado.

Cotidiano