PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Polícia diz que jovem marcou suástica no próprio corpo e será indiciada; defesa contesta

Segundo a jovem, três homens a agrediram com socos e com um canivete, que teria sido usado para desenhar uma suástica em sua barriga - Reprodução/Facebook
Segundo a jovem, três homens a agrediram com socos e com um canivete, que teria sido usado para desenhar uma suástica em sua barriga Imagem: Reprodução/Facebook

Do UOL, em São Paulo*

24/10/2018 11h34Atualizada em 24/10/2018 17h30

A Polícia Civil do Rio Grande do Sul concluiu que os cortes em forma de suástica feitos em uma jovem que disse ter sido atacada na rua, há duas semanas, em Porto Alegre, são um caso de "autolesão". Segundo o delegado Paulo César Jardim, que concedeu entrevista coletiva nesta quarta-feira (24), há indícios de automutilação ou de que as lesões tenham sido feitas de forma consentida. A jovem será indiciada por falso testemunho.

Apesar da conclusão, trecho do laudo técnico da Polícia Civil diz que não há "elemento de convicção para se afirmar que efetivamente foram autoprovocadas". A defesa reforça justamente esse ponto da análise para manter a versão da vítima (leia mais abaixo).

O laudo conclui que "pode se afirmar com convicção que as lesões produzidas na vítima não são compatíveis com as que seriam esperadas, na hipótese de ter havido efetiva resistência da parte dela à ação de um agente agressor".

O documento informa que as marcas não são esperadas para casos em que o agressor age de maneira “tempestuosa” e “rápida”.

"Pode-se concluir que as lesões tenham sido produzidas cautelosamente, de modo a não causarem dano às camadas profundas da derme, provocando alterações que são apenas superficiais. Não seria esperado produzirem-se lesões como estas, com as características das que foram evidenciadas neste exame de corpo de delito, por um agressor que agisse de forma tempestuosa e demasiadamente rápida, como se esperaria que fosse o caso em situações de agressões furtivas e em ambientes adversos", diz trecho do laudo.

"A pena [para falso testemunho é] de 6 meses a um ano de detenção. Até quinta-feira pela manhã, iremos enviar a conclusão do inquérito para o Poder Judiciário”, informou o delegado.

De acordo com o delegado, a jovem foi diagnosticada com a doença do pânico. "Ela sofre de problemas emocionais, toma remédios, tem debilidade emocional”, afirmou Jardim.

Defesa reforça versão e ressalta ponto do laudo

Segundo o laudo pericial, as marcas podem ter sido feitas pela jovem ou com o consentimento dela. A perícia, no entanto, não descarta a hipótese de a jovem ter sido ferida quando estava incapaz de reagir.

A advogada da jovem, Gabriela Souza, citou por meio de nota o item 3 da peça que admite essa possibilidade para dizer que o laudo, na verdade, reafirma a convicção da defesa de que a garota foi vítima de um ataque. 

As lesões verificadas apresentam, portanto, características compatíveis com as de lesões autoinflingidas, embora não haja, a partir exclusivamente dos resultados do exame de corpo de delito, elemento de convicção para se afirmar que efetivamente foram autoprovocadas”, diz o laudo, que acrescenta a possibilidade de os cortes terem sido feitos “ante alguma forma de incapacidade ou impedimento da vítima em esboçar reação”.

“Isto apenas comprova o teor do depoimento da vítima, que não esboçou reação durante o ataque e sofreu estresse pós-traumático, situação que se mantém até o momento”, diz a advogada. 

Souza afirma que a defesa ainda espera que sejam apresentadas imagens de câmeras de segurança e ouvidos depoimentos de pessoas que prestaram auxílio à jovem atacada.

“O laudo divulgado nesta quarta-feira não representa o fim das investigações”, declarou. “Qualquer conclusão antes de esgotada a avaliação de todos os elementos possíveis é precipitada e pode não representar a realidade dos fatos.” 

Segundo o delegado responsável pelo caso, foram verificadas as imagens de 12 câmeras de segurança e mais de 20 pessoas foram ouvidas durante o inquérito, e não foram encontradas evidências do ataque nem da jovem circulando pelo local indicado.

Relembre o caso

Logo após o primeiro turno das eleições, a jovem de 19 anos, moradora de Porto Alegre, registrou boletim de ocorrência na Polícia Civil por lesão corporal na noite de segunda-feira, dia 8 de outubro. Segundo a jovem, três homens a agrediram com socos e com um canivete, que teria sido usado para desenhar uma suástica em sua barriga.

Ela afirmou ter sido abordada por causa de uma mochila com as cores LGBT, uma bandeira do movimento e uma camiseta com a frase "Ele não" --em referência ao movimento de mulheres contra o candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL).

Na ocasião, o delegado chegou a afirmar que o desenho seria um símbolo budista e não extremista. Após o caso ganhar repercussão, a advogada da jovem disse que ela tinha decidido não seguir com a ação, mas não desmentiu o ocorrido.

Bolsonaro critica Haddad

Logo após a divulgação da conclusão da polícia, Bolsonaro comentou o caso em uma rede social.

O candidato retuitou um post de seu adversário, Fernando Haddad (PT), no qual o petista diz que apoiadores de Bolsonaro eram responsáveis pela agressão.

“Quem espalha notícias falsas? Canalhas! Vagabundos! Sem mentir o PT não existe!”, escreveu Bolsonaro.

“Vão cobrar resposta sobre mais essa atitude suja ou fingir que nada aconteceu? Chamaram nossos apoiadores, homens, mulheres, idosos, pessoas de família, de nazistas a semana inteira e vai ficar por isso mesmo?”, completou o candidato do PSL. (Com Estadão Conteúdo)

* Com reportagem de Mirthyani Bezerra, do UOL em São Paulo, e colaboração de Luciano Nagel, para o UOL, em Porto Alegre

Cotidiano