PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Zema: evacuações são "além do recomendável" e não se pode parar mineração

Romeu Zema, governador de Minas Gerais - Cristiane Mattos / O Tempo
Romeu Zema, governador de Minas Gerais Imagem: Cristiane Mattos / O Tempo

Carlos Eduardo Cherem

Colaboração para o UOL, em Belo Horizonte

18/02/2019 20h08Atualizada em 18/02/2019 20h10

O governador de Minas Gerais Romeu Zema (Novo) afirmou hoje que vai pedir uma revisão das regras para classificação de barragens e disse que as evacuações de centenas de pessoas feitas em três municípios mineiros, após a tragédia de Brumadinho (MG), são "além do recomendável".

"Ninguém pode ficar exposto a riscos, mas parece que estamos assistindo, num momento em que todos estão com as emoções afloradas, a uma reação que seria além do recomendável", afirmou o político do Novo durante evento no Palácio Tiradentes, sede do governo mineiro em Belo Horizonte.

Não é fácil lidar com um problema desse, porque não podemos expor ninguém a risco, mas também não podemos parar uma atividade tão relevante para o Estado
Romeu Zema (Novo), governador de MG

Semana passada, Zema classificou o desastre de Brumadinho como um "incidente" e defendeu que as vítimas aceitassem o acordo proposto pela Vale. Para o governador, a companhia está fazendo tudo que pode para atender a população e minimizar os danos causados pelo rompimento da barragem da Vale.

Neste sábado (16), centenas de pessoas tiveram que deixar suas casas em Macacos, distrito de Nova Lima, na região metropolitana de Belo Horizonte, por causa da elevação do risco de uma barragem da Vale. Na quinta-feira (8), houve evacuação de dezenas de moradores de Itatiaiuçu e Barão de Cocais, por causa de uma outra barragem da Vale, além de uma da Arcelor.

"Chegamos a um ponto em que ninguém quer ficar com a batata quente na mão por uma questão muito séria: se ficar, amanhã se algo acontecer, essa pessoa está com um seríssimo problema perante a Justiça, até de ordem criminal e dolosa", disse o governador mineiro ao se referir a auditores responsáveis por relatórios de estabilidade de barragens.

Zema explicou que a barragem da Vale em Brumadinho estava desativada quando se rompeu e defendeu a revisão das atuais regras de licenciamento de barragens.

"É uma situação extremamente angustiante para nós mineiros, porque a continuar do jeito que está, não vai demorar muito e vamos ter praticamente todas as barragens do estado consideradas de risco", disse

Brumadinho: Imagens mostram rompimento da barragem e extensão da lama

UOL Notícias

Redução de R$ 23,3 bilhões na receita industrial

Após a divulgação de um relatório da Fiemg (Federação das Indústrias de Minas Gerais) apontando que a redução das atividades da Vale no Estado deverá reduzir em R$ 23,3 bilhões a receita industrial este ano, Zema disse que pediu uma reunião com o ministro das Minas e Energia, Bento Albuquerque, para verificar " o que pode ser feito" para "evitar a desestruturação total do setor".

O governador disse que ainda que vai agendar uma conversa com o presidente da Fiemg, Flávio Roscoe, para discutir o assunto. Esses R$ 23,3 bilhões representam 4,2% do PIB (Produto Interno Bruto) de Minas Gerais em 2018, que ficou em R$ 560 bilhões.

Hoje, Zema recebeu em Belo Horizonte o ministro da Saúde, Henrique Mandetta, que anunciou repasse de R$ 196 milhões para investimentos em atenção hospitalar, vigilância e atendimento em saúde mental para Minas Gerais.

Cotidiano