Topo

Tragédia em Brumadinho


Câmara faz minuto de silêncio por mortos; presidente da Vale não se levanta

Ana Carla Bermúdez e Leandro Prazeres

Do UOL, em São Paulo e em Brasília

2019-02-14T18:20:39

2019-02-14T18:28:16

14/02/2019 18h20Atualizada em 14/02/2019 18h28

Durante uma audiência pública realizada hoje na Câmara dos Deputados, o presidente da Vale, Fábio Schvartsman, foi o único a não se levantar após um pedido por um minuto de silêncio em homenagem às vítimas da tragédia de Brumadinho (MG), que matou pelo menos 166 pessoas devido ao rompimento de uma barragem operada pela empresa na cidade.

O pedido pela homenagem às vítimas partiu do diretor-geral da ANM (Agência Nacional de Mineração), Victor Hugo Fronner Bicca, assim que tomou a palavra no evento. Bicca, inicialmente, chegou a se referir à tragédia como a de Mariana (MG) e se corrigiu em seguida.

"Gostaria, para iniciar, que pedíssemos todos uma singela homenagem às vítimas desta lamentável tragédia de Mariana", disse. "Eu abro mão de um minuto do meu tempo para prestar essa homenagem às vítimas de Brumadinho", completou, pouco depois.

Em seguida, todos os participantes da mesa se levantaram para a homenagem. Os deputados presentes na audiência também participaram da homenagem de pé.

Reprodução/TV Câmara
Câmara faz minuto de silêncio por vítimas de Brumadinho (MG) Imagem: Reprodução/TV Câmara

Schvartsman foi o único participante a permanecer sentado, com a cabeça baixa e as mãos cruzadas sobre a mesa. Ao UOL, o diretor de comunicação da Vale, Júlio Gama, afirmou que o presidente da mineradora respeitou o minuto de silêncio mantendo-se calado e de cabeça baixa em respeito às vítimas.

A audiência pública de hoje foi realizada pela comissão externa da Câmara dos Deputados que apura a situação de barragens pelo Brasil. Esta foi a primeira vez que o presidente da Vale falou aos deputados sobre a tragédia de Brumadinho.

Schvartsman afirmou que a empresa "não pode ser condenada" pelo desastre e disse que a Vale é uma "joia brasileira".

Referindo-se ao desastre como "acidente", ele reforçou o posicionamento da companhia de que os laudos aos quais a companhia teve acesso não indicavam o perigo iminente de rompimento da barragem. 

Apesar das declarações do presidente da Vale, documentos internos da companhia revelados pelo MP-MG (Ministério Público de Minas Gerais) indicam que a represa da mina do Córrego do Feijão fazia parte de um grupo de 10 barragens com mais propensão a rompimento e que se encontravam em uma zona de atenção.

Mais Tragédia em Brumadinho