Topo

PF suspeita que milícia tenha infiltrados em delegacia do caso Marielle

Quem mandou matar Marielle? E mais perguntas sem respostas

UOL Notícias

Sérgio Ramalho e Flávio Costa

Colaboração para UOL no Rio e do UOL em São Paulo

14/03/2019 04h00Atualizada em 14/03/2019 12h54

Resumo da notícia

  • PF investiga pelo menos 8 inquéritos conduzidos pela Delegacia de Homicídios do Rio
  • Ao menos um delator afirmou que a milícia infiltrou membros na delegacia especializada
  • Caso Marielle completa um ano hoje sem ser solucionado

Pelo menos oito inquéritos da DH (Delegacia de Homicídios) do Rio estão sob análise da PF (Polícia Federal) por determinação da PGR (Procuradoria-Geral da República). Dentre as investigações submetidas à varredura se destacam os casos relacionados às execuções da vereadora Marielle Franco (PSOL) e de Anderson Gomes, cujos assassinatos completam um ano hoje, e de dois herdeiros de clãs da máfia do jogo do bicho: Hayton Escafura e Myro Garcia, assassinados em 2017.

A PF apura a suspeita que a milícia conhecida por "Escritório do Crime" conte com infiltrados dentro da DH, conforme depoimentos de dois delatores ouvidos pela PGR.

Um dos delatores, o ex-PM Orlando Oliveira de Araújo, o Orlando Curicica, apelido em referência ao bairro onde ele chefiava uma milícia na zona oeste do Rio, afirmou em depoimento que integrantes do "Escritório" pagavam uma mesada a alguns policiais da DH para que investigações sobre as execuções praticadas pelo grupo paramilitar não chegassem aos responsáveis pelos crimes.

Além de Curicica, um segundo delator --um homem que sobreviveu a uma tocaia do grupo de matadores de aluguel - afirmou que há infiltrados entre os agentes que atuam na delegacia especializada.

Além da apuração sobre as mortes de Marielle e Anderson, o UOL confirmou o "pente-fino federal" em outros três casos: o homicídio do empresário Marcelo Diotti da Mata, morto a tiros na mesma noite em que a vereadora e o motorista foram assassinados. E as duas mortes de herdeiros do jogo do bicho citadas acima (leia mais detalhes abaixo).

Em 21 de fevereiro passado, a PF cumpriu mandados de busca e apreensão em imóveis de pessoas citadas pelos delatores. Dentre eles, o ex-deputado estadual e conselheiro afastado do TCE (Tribunal de Contas do Estado), Domingos Brazão. Ele, que é suspeito de obstruir a investigação do caso Marielle, e chegou a ser preso no âmbito da Operação Quinto do Ouro em março de 2017. Esta operação apura o esquema de propina no TCE fluminense.

Procurada por email para comentar a investigação da PF, a Polícia Civil do Rio não respondeu à reportagem.

"Aliança Satânica"

A suposta relação entre milicianos e políticos com o assassinato da vereadora do PSOL e seu motorista chegou a ser comparada, em novembro passado, pelo então ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, a uma "aliança satânica". O ministro se referia às relações promíscuas envolvendo policiais ligados a grupos paramilitares que praticam crimes (também chamado de milícias), sobretudo assassinatos, a soldo de políticos e clãs da máfia da contravenção carioca.

As investigações apontam o "Escritório do Crime" como principal grupo paramilitar envolvido em crimes de pistolagem (assassinato sob encomenda) no estado. Esta milícia é formada por policiais e ex-policiais treinados em unidades de elite da polícia, em especial o Bope (Batalhão de Operações Especiais) da Polícia Militar. Passou pela unidade o sargento PM reformado Ronnie Lessa, apontado pela DH como quem efetuou os disparos que vitimaram Marielle e Anderson.

Lessa é sniper (atirador de elite) e instrutor de armamento treinado pela tropa de elite de onde também saiu o ex-capitão PM Adriano Magalhães da Nóbrega, citado como chefe do "Escritório do Crime" e da milícia de Rio da Pedras, na zona oeste do Rio, em investigações do Ministério Público estadual. Ex-companheiros de farda, os dois "ex-caveiras" também têm em comum um histórico de serviços prestados a dois dos principais clãs da máfia da contravenção no Rio.

Deflagrada em janeiro, A Operação Intocáveis tinha como principal alvo o ex-capitão do Bope, mas ele conseguiu escapar da prisão. Na ocasião foram presos cinco suspeitos, dentre eles o major da PM Ronald Paulo Alves Pereira e Maurício Silva da Costa, o "Maurição", tenente reformado da PM. Os dois são apontados como líderes da milícia de Rio das Pedras, ao lado de Adriano.

O PM reformado Ronnie Lessa foi apontado como assassino de Marielle e Anderson - Reprodução/SBT
O PM reformado Ronnie Lessa foi apontado como assassino de Marielle e Anderson
Imagem: Reprodução/SBT

O sargento reformado Lessa, preso na manhã de terça-feira, também mantinha ligações com esses grupos paramilitares. Perninha, como o sargento passou a ser chamado após ter perdido a perna esquerda num atentado a bomba, em 2009, prestou "serviços" ao contraventor Rogério Andrade, herdeiro de Castor de Andrade. Por sua vez, Adriano foi expulso da PM por trabalhar como segurança para membros da família de Waldomiro Paes Garcia, o Maninho, assassinado em 2004.

A ação de infiltrados pode explicar a razão de Adriano ainda não ter sido capturado e outros vazamentos de operações policiais no Rio. O próprio Lessa, após ser preso, admitiu que recebeu informação de que estava sendo investigado.

Homicídios sob análise

Com o objetivo de esquadrinhar as ações criminosas do Escritório do Crime a soldo da contravenção, a PF vem revisando as investigações relacionadas às execuções de Haylton Escafura e Myro Garcia.

Filho de um dos antigos chefões da contravenção, Hayltinho, como era conhecido, estava com a namorada, a soldado da PM Francine de Souza, numa suíte no nono andar do Hotel Transamérica, na Barra da Tijuca, quando foi surpreendido por dois matadores.

Os homens usavam roupas semelhantes ao uniforme da Polícia Civil e mataram o casal com dezenas de tiros de fuzil e pistola. Apesar da repercussão provocada pelo crime, a DH não conseguiu chegar aos executores, que usaram métodos parecidos com os empregados pelos matadores do Escritório.

No caso de Myro Garcia, herdeiro do banqueiro do jogo do bicho Maninho, a DH chegou a prender suspeitos de participação no crime, mas a investigação não apresentou resultados concretos.

Apesar de a delegacia especializada ter concluído que a morte de Myro aconteceu em decorrência de um sequestro, uma testemunha atribui o crime à ação de matadores a soldo de uma das famílias da máfia da contravenção que disputava território com os Paes Garcia. A execução de Maninho, morto a tiros de fuzil na saída de uma academia em Jacarepaguá, também não foi elucidada.

Mais Cotidiano