Topo

Cadela arrastada em temporal no Rio é encontrada: Está bem, diz dono

Gaia é encontrada após desaparecer durante temporal no Rio - Arquivo pessoal
Gaia é encontrada após desaparecer durante temporal no Rio Imagem: Arquivo pessoal

Pauline Almeida

Colaboração para o UOL, no Rio

11/04/2019 13h34

Três dias após ser arrastada pelas águas da chuva que mataram dez pessoas no Rio de Janeiro, uma cadela de 12 anos foi encontrada hoje e pôde voltar para os donos. Gaia, uma labradora preta, estava em uma trilha do Horto, na zona sul da capital carioca.

Por volta das 8h30 de hoje, uma mulher fazia a trilha que leva a uma cachoeira e viu uma cadela, reconhecendo que era Gaia pela coleira de identificação, pois havia visto os cartazes de busca na internet. Por coincidência, ela é amiga do irmão da arquiteta Tatiana Castello Branco, uma das donas do animal.

Gaia ficou três dias desaparecida após temporal - Arquivo pessoal
Gaia ficou três dias desaparecida após temporal
Imagem: Arquivo pessoal
O outro dono, o comerciante Cláudio Gappo, contou que foi uma alegria enorme receber a notícia, pois já tinha perdido a esperança. Ontem, outra labradora preta havia sido encontrada no Jockey, bairro também da zona sul do Rio, trazendo expectativa para os dois, mas Tatiana foi ao local e descobriu que não era Gaia.

"Somos bem apegados [a Gaia], nessa hora a gente vê como é mesmo. Eu fico pensando nas características de cachorros. A Gaia quer fazer tudo conosco. Qualquer coisa que eu fazia, ela ia junto, estender roupa, tomar banho, se pudesse, apoiava o focinho, a pata, é muito carinhosa", contou Gappo.

Tatiana e Cláudio já foram namorados, mas hoje são amigos e compartilham a guarda de Gaia e Camilinha, uma "labra-lata" branca, como define o comerciante.

Tatiana e Cláudio passeiam com Gaia e Camilinha - Arquivo pessoal
Tatiana e Cláudio passeiam com Gaia e Camilinha
Imagem: Arquivo pessoal
Quando sai para trabalhar, a arquiteta deixa as duas na casa da avó, no Jardim Botânico, zona sul, de onde Gaia foi arrastada pelas águas da chuva na última segunda-feira (8). O bairro foi um dos mais afetados pelas precipitações que atingiram o Rio de Janeiro e causaram a morte de dez pessoas. Segundo os dados do Alerta Rio, do Centro de Operação da Prefeitura do Rio de Janeiro, o bairro foi a segunda região com maior volume de chuva na segunda-feira, com 334,4 mm, atrás apenas da Rocinha.

A casa fica perto de uma queda d'água. Com o grande volume de chuva, a família acredita que uma cabeça d'água se formou. Até um muro pesado do local foi arrastado, lançado a cinco metros.

O vigia da rua chegou a ver quando a água levou Gaia. Claudio Gappo lembra que imaginou que a cadela tivesse morrido quando notou o rastro de destruição deixado pelas águas. Os brinquedos das cadelas, por exemplo, foram encontrados a 1,5 km adiante.

Felizmente, Gaia sobreviveu e agora já está de volta à casa. "Vale a pena mencionar o tamanho da generosidade e solidariedade das pessoas. Teve gente que nem conhecíamos que adentrou na lama atrás de supostas pistas dela, gente fazendo revezamento na rua procurando por ela, tanto conhecidos como desconhecidos", agradeceu Gappo.

Agora, a labradora está de volta aos cuidados dos proprietários e vai ser levada ao veterinário para avaliação. Segundo os donos, ela aparenta estar bem, apenas com alguns arranhões e bastante cansada. Em casa, bebeu muita água, já se alimentou um pouco e dorme bastante.

Os donos acreditam que Gaia tenha passado por um grande estresse, pois sua coleira de identificação apresenta diversas marcas, como se tivesse sofrido batidas.

Notícias