Topo

Juíza obriga Vale a proteger patrimônio cultural em Barão de Cocais

Reprodução/TV UOL
Vista aérea do entorno da barragem Sul Superior, da mina do Gongo Soco, em Barão de Cocais Imagem: Reprodução/TV UOL

Luciana Quierati e Nathan Lopes

Do UOL, em Barão de Cocais (MG) e em São Paulo

2019-05-23T14:54:27

2019-05-24T23:37:00

23/05/2019 14h54Atualizada em 24/05/2019 23h37

A juíza Fernanda Chaves Carreira Machado determinou que a Vale tomar ações para proteger o patrimônio cultural da região da cidade de Barão de Cocais (MG). Parte da estrutura de uma barragem da empresa na cidade corre risco de romper a qualquer momento desde o último final de semana.

A ação foi proposta pelo MP-MG (Ministério Público de Minas Gerais), cujos argumentos foram acolhidos pela magistrada. Além de Barão de Cocais, as cidades de Santa Bárbara e São Gonçalo do Rio Abaixo também podem ser atingidas.

Para a juíza, é notório que há uma "situação calamitosa e de pânico vivida pela população cocaiense". "As localidades se tornaram cidades fantasmas e, nesses lugares abandonados, os refugiados deixaram à sorte da tragédia anunciada seus pertences e, também, o patrimônio cultural e histórico mantido ao longo das centenas de anos de existência da cidade de Barão de Cocais", escreveu na decisão.

Risco em barragem de Barão de Cocais afeta economia local

Band Notí­cias

A Vale, na visão da magistrada, "nada tem feito para proteger a cultura centenária prestes a ser destruída".

É preciso, sim, adotar as medidas necessárias para impedir que mais uma parte da memória de Minas Gerais seja destruída
Fernanda Chaves Carreira Machado, juíza da comarca de Barão de Cocais

A juíza avalia que a situação em Barão de Cocais "indica a probabilidade de danos irreversíveis e gravíssimos ao meio ambiente cultural e histórico, caso a rá [Vale] não seja retirada imediatamente da inércia em que se encontra".

Multa e exigências

A decisão estipula uma multa de R$ 100 mil caso as medidas de proteção ao patrimônio cultural da região não sejam realizadas. Entre as exigências está a de que a Vale deve informar em dez dias "as perspectivas de se alcançar a estabilidade das estruturas" da barragem da mina de Gongo Soco.

Ela também pede uma previsão de data para retorno dos habitantes das comunidades às residências. A decisão ainda manda que a Vale faça registros de todos os bens culturais da região de forma detalhada a partir de hoje.

A juíza determinou também que as ações da Vale só devem ser adotadas "se os planos de segurança forem aprovados pela Superintendência Regional do Trabalho, evitando-se colocar em risco a vida de qualquer pessoa envolvida nas operações".

Outro lado

Procurada pelo UOL, a Vale disse que em fevereiro, quando da elevação para o nível 2 de emergência da barragem, iniciou planejamento das ações de documentação e resgate do patrimônio cultural existente na mancha de inundação da estrutura, incluindo tanto a zona de autossalvamento, de maior risco, como a zona de segurança secundária.

Afirmou ainda que tais ações estão em curso, tendo sido intensificadas em 22 de março, quando o alerta subiu para o nível 3, a cargo de equipes especializadas de três empresas.

Moradores de Barão de Cocais em MG convivem com o medo

Band Notí­cias

Mais Cotidiano