Topo

Delegado que levou testemunha falsa ao caso Marielle é preso por extorsão

Sérgio Ramalho

Colaboração para o UOL, no Rio

2019-06-11T16:27:51

2019-06-11T16:52:26

11/06/2019 16h27Atualizada em 11/06/2019 16h52

Resumo da notícia

  • Grupo com participação de policiais federais cobrava para beneficiar investigados
  • Segundo a PF e o MPF, a propina variava entre R$ 400 mil e R$ 1,5 milhão
  • Delegado preso hoje apresentou testemunha que mentiu ao depor no caso Marielle

Lorenzo Pompilho da Hora, delegado da Polícia Federal (PF) que participou da apresentação de testemunha falsa no caso Marielle, foi preso hoje no Rio sob acusação de cobrar propina de pessoas investigadas por ele. Os valores da extorsão, segundo as investigações da PF e do Ministério Público Federal (MPF) chegavam a R$ 1,5 milhão em alguns casos.

O delegado prestou depoimento e negou participação em esquema ilegal (veja mais abaixo).

A investigação chegou ao delegado após delação premiada de um empresário que foi do esquema, segundo o procurador da República Rafael Barreto.

Pompilho foi um dos três delegados federais que apresentaram à Delegacia de Homicídios o policial militar Rodrigo Ferreira, que inicialmente acusou o vereador Marcello Siciliano (PHS) e o ex-PM Orlando Araújo, o Orlando Curicica, de serem mandantes da execução da vereadora do PSOL e seu motorista, Anderson Gomes. Ferreirinha, como é conhecido o policial militar, posteriormente afirmou que mentiu em depoimento.

O UOL apurou que foi o delegado Pompilho que estabeleceu contato com o então chefe da Polícia Civil, delegado Rivaldo Barbosa, para levar a testemunha à Delegacia de Homicídios da Capital.

Extorsão em casos ligados aos Correios

Na manhã de hoje, o MPF e a PF deflagraram a Operação Tergiversação, com o objetivo de desarticular uma organização criminosa em atuação na Superintendência da PF do Rio de Janeiro. O grupo, que incluía um delegado e um escrivão, obtinha vantagens indevidas na condução de inquéritos policiais.

As investigações revelaram cobrança de propina de investigados e potenciais investigados nos inquéritos relacionados às operações Titanium (fraudes envolvendo o plano de saúde dos Correios) e Viupostalis/Recomeço (fraudes envolvendo o Postalis, fundo de pensão dos funcionários dos Correios).

As operações em questão eram conduzidas pelo delegado Pompílio com o apoio do escrivão Éverton da Costa Ribeiro, lotados à época no Núcleo de Repressão a Crimes Postais da Delepat/RJ (Delegacia de Repressão a Crimes Contra o Patrimônio).

O delegado e o escrivão prestaram depoimento e negaram participação em esquema ilegal. A reportagem está procurando as defesas de Pompílio e Ribeiro para que eles comentem a acusação de extorsão. Assim que responderem, esta nota será atualizada.

Pagamentos para evitar a mídia

As apurações apontaram que os dois receberam para evitar a exposição na mídia de investigados e potenciais investigados e favorecê-los nas apurações conduzidas por eles quanto às irregularidades no Postalis e no Plano de Saúde dos Correios.

Os agentes públicos contavam com a atuação de dois operadores, intermediários da organização criminosa, que usavam seus contatos para se aproximar de potenciais investigados e solicitar pagamentos, recebê-los e ainda cuidar da lavagem do dinheiro.

Os pagamentos, que variaram, segundo o apurado até o momento, de R$ 400 mil a R$ 1,5 milhão, eram feitos na maior parte das vezes em dinheiro, mas em alguns casos foram repassados por meio de transferências a empresas ligadas aos operadores.

Foi identificada ainda a participação de mais quatro pessoas no grupo criminoso, que movimentaram recursos e atuaram como "laranjas" de alguns investigados.

Caso Marielle

Recentemente a reportagem do UOL apurou que as polícias civil e federal estão adotando novas estratégias em relação à investigação do assassinato de Marielle Franco. Através da investigação de outros crimes, há um esforço de chegar a personagens ligados à morte da vereadora, e se possível obter acordos de delação premiada.

Na última semana, o policial militar Rodrigo Ferreira foi preso por ligação com a milícia da região de Curicica, no Rio. Ferreirinha, como é conhecido o PM, admitiu ter mentido em depoimento à PF, quando acusou o miliciano Orlando Curicica e o vereador Marcelo Sicilliano de ordenarem a morte de Marielle.

A operação desta terça

Foram expedidos seis mandados de prisão preventiva, três mandados de prisão temporária e 25 mandados de busca e apreensão, por determinação da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro.

Segundo o MPF, os elementos obtidos com as quebras de sigilo bancário, fiscal, de email e telefônico dos investigados, somados aos elementos apresentados em razão de acordo de colaboração premiada celebrado com alguns dos empresários abordados pelo grupo criminoso, comprovaram a prática dos crimes de corrupção ativa, corrupção passiva, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

Ainda segundo o MPF, há indícios de que o esquema criminoso envolveu outros agentes públicos e que não se limitou às investigações apontadas.

Mais Cotidiano