Topo

Idoso morre atropelado após motorista acelerar contra manifestantes do MST

Integrantes do MST em ocupação em Valinhos (SP) - Divulgação/MST
Integrantes do MST em ocupação em Valinhos (SP) Imagem: Divulgação/MST

Thiago Varella

Colaboração para o UOL, em Campinas (SP)

18/07/2019 12h22Atualizada em 18/07/2019 18h59

Um motorista avançou sobre um grupo de manifestantes do MST (Movimento dos Sem Terra) em frente a uma ocupação em Valinhos (SP) e matou um idoso de 73 anos na manhã desta quinta-feira (18). A informação foi confirmada pela Guarda Municipal de Valinhos e também pelo MST.

O idoso atropelado, identificado como Luiz Ferreira da Costa, 73, foi levado à UPA de Valinhos ainda com vida, mas não resistiu. Um cinegrafista que registrava imagens do protesto também foi atropelado e sofreu ferimentos leves. O suspeito de cometer o crime fugiu, segundo a Guarda Municipal.

"Ele vivia no acampamento com a família e andava todo animado porque tinha se matriculado no EJA (Educação de Jovens e Adultos) e ia aprender a ler e escrever", disse o advogado Alfredo Bonardo, que presta serviços ao MST.

O protesto estava sendo realizado em frente ao acampamento "Marielle Vive", na Estrada dos Jequitibás, que liga Valinhos a Itatiba.

Testemunha do atropelamento, Bonardo disse que o motorista estava em uma fila de carros que seguia para Itatiba, mas parou por causa do protesto. Ele deu meia volta com a caminhonete e, no sentido oposto, acelerou contra a multidão.

Ainda de acordo com Bonardo, um grupo de cinco pessoas do acampamento foi atrás da caminhonete. O motorista havia retirado a placa do veículo e sacou uma arma quando percebeu a presença dos sem-terra. A Guarda Municipal de Valinhos não confirma a suposta ameaça feita pelo motorista aos manifestantes.

Um grupo de cerca de 200 manifestantes fechou a estrada no começo da manhã. Eles entregavam mudas de plantas e folhetos para quem passava pelo local. Segundo o MST, o protesto tinha o objetivo de pressionar a prefeitura por fornecimento de água no assentamento.

Por volta das 8h15, uma caminhonete L200 preta surgiu na contramão, acelerou e atropelou alguns manifestantes, antes de fugir.

De acordo com o MST, o acampamento "Marielle Vive" existe desde abril de 2018, na Fazenda Eldorado Empreendimentos e abriga mil famílias.

Mais Cotidiano