Topo

Caso Ághata: Felipe Neto diz que governo só comentará se "PMs se beijarem"

Do UOL, em São Paulo

21/09/2019 23h59

Felipe Neto criticou Jair Bolsonaro (PSL), Wilson Witzel (PSC) e Marcelo Crivella (PRB) pelo silêncio em relação à morte da menina Ághata Félix, de oito anos, que foi atingida por um tiro de fuzil em uma operação da Polícia Militar no Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro. O youtuber, que recentemente se manifestou contra a censura de um beijo gay na Bienal, disse que o presidente da República, o governador e o prefeito da capital só comentarão se "dois PMs homens se beijarem em público".

"Um policial matar uma criança não gera qualquer comentário do PSL, do presidente, do governador ou do prefeito. Isso só vai acontecer se dois PMs homens se beijarem em público", escreveu o influenciador no Twitter, referindo-se ao fato de que Crivella tentou impedir a venda de uma HQ de Vingadores que tinha um beijo gay entre dois personagens.

O youtuber foi além e responsabilizou diretamente o governador Wilson Witzel pela morte de Ághata. "Não há palavras suficientes para expressar a dor. A forma assassina de Witzel conduzir a 'segurança' do RJ não só NÃO ESTÁ RESOLVENDO NADA como está executando inocentes diariamente. Está tudo errado! E ainda há quem defenda essa monstruosidade", publicou Felipe.

A imagem usada pelo empresário neste segundo tuíte é uma montagem: de um lado, está a foto de Ághata, de oito anos; do outro, há uma charge na qual Witzel aparece com a boca suja de sangue.

Menina de 8 anos morre baleada após operação policial no Complexo do Alemão

UOL Notícias

Mais Cotidiano