Topo

Motociclista cai em teto de carro após acidente no interior de SP; veja

Eduardo Schiavoni

Colaboração para o UOL, em Ribeirão Preto

22/11/2019 10h15

Um acidente envolvendo um carro e uma moto acabou de maneira inusitada em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo. A educadora física e instrutora de natação Aline Ribeiro Loureiro, de 29 anos, pilotava a motocicleta quando um veículo desrespeitou o sinal de pare. Com a colisão, ela foi alçada da moto e acabou caindo, sentada, no teto do veículo. Aline teve ferimentos leves e passa bem.

O acidente aconteceu na quarta-feira e foi registrado por câmeras de segurança. "Esperava que ele parasse no pare. Lembro de ter batido e, quando vi, estava sentada no carro. Parecia uma marionete. Acredito que foi Deus quem me colocou sentada no carro. Olheiro para meu corpo, vi inchaço, o tornozelo doendo", disse.

Já medicada e em recuperação, ela conta que ainda sente dores pelo corpo, mas se diz "sortuda" pelas consequências não serem mais graves. "Poderia ter batido meu corpo contra o carro, ou caído no chão. Agradeci a Deus por não ter acontecido algo pior", conta.

Aline permaneceu sentada no teto do carro do momento do acidente até a chegada da equipe do Corpo de Bombeiros, que demorou aproximadamente dez minutos. Posteriormente, ela foi estabilizada com o colar cervical e colocada dentro de uma ambulância, sendo levada para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Avenida Treze de Maio, onde permaneceu por aproximadamente cinco horas fazendo exames.

O motorista do carro que desrespeitou a sinalização prestou depoimento no local para a Polícia Militar. Um boletim de ocorrência foi registrado e ele deve ser multado pela infração que cometeu. A reportagem tentou falar com ele, mas não conseguiu contato.

Preocupação

Aline, entretanto, elogiou a postura do motorista do veículo. "Ele ficou preocupado na hora. Recebi mais atenção dele do que no atendimento médico depois do acidente", disse ela, que contou, ainda, que tem recebido telefonemas constantes do motorista. "Ele sempre liga, pergunta se estou bem, está acompanhando minha evolução", disse.

Apesar do bom estado clínico, Aline terá que passar por um período de repouso que a manterá afastada das piscinas dos condomínios onde é contratada para dar aulas de natação para crianças. "Estou muito dolorida, o corpo todo. Preciso da ajuda dos meus pais, que estão me ajudando. Mas vou sentir falta da piscina e das crianças para quem dou aula, que são minha alegria", conta.

Cotidiano