PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Esse conteúdo é antigo
Alarme falso: sirene toca perto de barragem, causa pânico e até internação

Daniel Leite

Colaboração para o UOL, em Juiz de Fora (MG)

04/01/2020 18h29Atualizada em 06/01/2020 11h16

Um alarme falso causou correria, pânico e problemas de saúde em moradores de Conceição do Mato Dentro, em Minas Gerais, onde há uma barragem de rejeitos de minério de ferro. Ao menos uma pessoa precisou ser levada para atendimento médico e há relatos de moradores sobre idosos que também passaram mal.

A empresa Anglo American, dona do reservatório, emitiu um comunicado em que não esclarece os motivos da sirene ter sido acionada, e afirma estar investigando o caso.

Moradores dos bairros Água Quente e Jassém contam que era por volta de 16h30 quando as sirenes começaram a tocar. Em vídeos postados na internet é possível ouvir um som grave ecoando ao fundo e as pessoas muito assustadas.

Ludmila Santos lembra que esse tipo de aviso é diferente dos usados nas simulações, e isso confundiu ainda mais a população das duas localidades na hora. Ela mora na Água Quente e voltava do trabalho quando foi surpreendida pelo alarme. "Como as casas são bem próximas, todos saíram, sem saber bem do que se tratava. O som foi diferente do que ouvimos durante as simulações, mas não tem como você saber em uma horas dessas do que se trata exatamente".

Segundo Ludmila, vários moradores foram para pontos altos da região, teoricamente mais seguros, e conseguiram falar com a Defesa Civil, que em poucos minutos já estava no local.

A empresa responsável pela barragem chegou cerca de uma hora e meia depois, diz a cozinheira. "Chegaram sem saber nos explicar com certeza o que havia ocorrido. A própria empresa não sabia da possibilidade de um som diferente ser tocado pela sirene".

A existência de muitas pessoas idosas nas casas próximas foi outro motivo de preocupação. Uma delas tem mais de 100 anos. "Ficaram muito nervosos, assustados mesmo", afirma Ludmila.

E mesmo quem tem menos idade passou mal. Laudiene Monteiro, 28 anos, é asmática e precisou de atendimento médico após a sirene tocar. Com a chegada da ambulância, a dona de casa precisou de oxigênio e ser internada durante cerca de seis horas.

Na hora que a sirene tocou, eu entrei em pânico, comecei a passar mal, senti muita falta de ar, dificuldade para respirar. Eu pensei que eu ia morrer. O que seria da minha vida? Eu não consigo correr
Laudiene Monteiro, dona de casa

Ela teme pela vida da filha também, de apenas sete anos, que, apesar da idade, demonstra preocupação também com a situação tensa causada pela barragem, segundo Laudiene: "É uma sensação muito ruim, pretendo não passar nunca mais. A gente não tem sossego nesse lugar, a gente não dorme direito, preocupada com a barragem. Principalmente em época de chuva agora, a gente fica com muito medo dela se romper. Eles falam que tá tranquilo, mas a gente sabe que não tá".

Um ativista em direitos humanos afirmou ao UOL que a comunicação nas duas localidades é ruim, deixando a situação ainda mais perigosa. "O estrago foi enorme essa sirene ter tocado. Tem pessoas muito idosas lá. Eu estou vivendo um pesadelo aqui e o coração da gente parece que vai sair de tanta indignação e revolta", disse Elias de Souza.

Segundo a Defesa Civil do município, não foi passada até o momento nenhuma explicação sobre o fato, mas foi firmado um acordo horas depois, documentado em uma ata.

"Uma ata foi lavrada com um termo de compromisso entre a mineradora, a Defesa Civil e a comunidade de que a empresa terá que apresentar, em 15 dias corridos, uma resposta para o que aconteceu para explicar o disparo da sirene e o que eles farão para evitar que isso ocorra novamente", diz Pedro Rios, agente da Defesa Civil. Segundo ele, não há necessidade de os moradores saírem de casa.

Barragem está segura, diz empresa

Em um comunicado oficial, a Anglo American informou que "uma das sirenes de emergência da barragem tocou de forma não intencional" na comunidade de Cachoeira de Baixo, e o som foi ouvido nas localidades de Jássem e Água Quente.

"A empresa entrou imediatamente em contato com os moradores dessas comunidades para informar sobre a segurança da barragem e oferecer o apoio necessário. Também comunicou as autoridades responsáveis, incluindo as Defesas Civis de Conceição do Mato Dentro e Alvorada de Minas e a Defesa Civil Estadual", diz a nota.

A Anglo American afirmou que a barragem em Conceição do Mato Dentro "está segura, sem alterações na sua estrutura".

De acordo com a empresa, hoje pela manhã foi realizada mais uma inspeção e leitura de instrumentos, e a indicação foi de "parâmetros dentro da normalidade", o mesmo ocorrendo com o sistema de drenagem.

A Anglo American informou também que, nos últimos dias, inspeções e monitoramento rotineiros não detectaram anomalias.

A fabricante das sirenes e a equipe de manutenção investigam as possíveis causas do alarme falso, segundo a mineradora

Cotidiano