PUBLICIDADE
Topo

Aluno é obrigado a usar uniforme marcado com a palavra 'empréstimo' em SP

Aluno usa uniforme com a palavra "empréstimo" - Arquivo Pessoal
Aluno usa uniforme com a palavra "empréstimo" Imagem: Arquivo Pessoal

Luiz Gabriel Ribeiro

Colaboração para o UOL, em Niterói (RJ)

17/02/2020 17h56

Um aluno de oito anos de uma escola de Americana (SP) foi obrigado a usar um uniforme com a palavra "empréstimo" em seu retorno às aulas, em fevereiro. O caso aconteceu na Escola Estadual Germano Benencase Maestro e viralizou após denúncia da irmã do garoto. A peça de roupa estava marcada com tinta preta na parte de trás e foi cedida pela instituição de ensino a alunos que frequentavam às aulas sem uniforme da rede.

A família revela que o garoto foi alvo de bullying por causa da determinação da diretoria da escola. "Todos os amigos tiraram sarro dele", diz a irmã do garoto ao UOL. Segundo ela, a instituição tinha a intenção de mostrar que os uniformes em questão não pertenciam aos estudantes. Outros alunos também usaram roupas com o escrito.

À reportagem, a Secretaria de Educação do Estado de São Paulo informou que considera inadmissível a postura da escola e informa que abrirá uma sindicância, a fim de averiguar formalmente o caso para tomar medidas e punir os responsáveis. O porta-voz da pasta ressalta que tal atitude expôs o aluno ao bullying.

"Uma ação imediata foi tomada para evitar esse tipo de medida, que está em total desacordo ao que pregamos. É inadmissível e já falei com o diretor de ensino da região e com a diretora da escola cobrando uma resposta. Não devemos expor o aluno em nenhuma circunstância", ressaltou Henrique Pimentel Filho, porta-voz da Secretaria de Educação.

"Uma ação imediata foi tomada para evitar esse tipo de medida, que está em total desacordo ao que pregamos. É inadmissível e já falei com o diretor de ensino da região e com a diretora da escola cobrando uma resposta. Não devemos expor o aluno em nenhuma circunstância", ressaltou Henrique Pimentel Filho, porta-voz da Secretaria de Educação.

A irmã do garoto relata que ele foi à escola nos primeiros dias sem uniforme porque a mãe não teve dinheiro para comprar a roupa. A família se sustenta com verbas do Bolsa Família e tem previsão de receber somente no fim do mês. Ele segue assistindo às aulas sem a roupa da escola, mas já sem ter que usar a peça emprestada pela escola — situação vivida ao longo de quase duas semanas.

"As aulas começaram e ele foi sem uniforme porque minha mãe não tinha dinheiro para comprar. Meu pai não mora com a gente e também não ajuda", explicou a jovem, de 18 anos. Ela já estudou na instituição e estranhou o fato de o irmão ter voltado para casa chorando e dizendo que não queria mais estudar após duas semanas de aula.

"Ele era obrigado a usar aquele uniforme marcado e devolvia no fim do dia", fala a irmã, que foi ao local para entender a situação. Segundo ela, a intenção da diretoria da escola estadual era pressionar para que as famílias das crianças sem uniforme comprassem logo a peça.
"A diretora disse que era para os alunos passassem vergonha mesmo. Ele tem uma namoradinha na escola, que riu dele", reforçou. "Ela (a diretora) falou que os alunos que têm dinheiro para celular de última geração devem ter para um uniforme. Mas ela não sabe a realidade de cada um".

Procurada pela reportagem, a Diretoria de Ensino da Região de Americana afirmou conhecer o caso, mas preferiu não se manifestar.

Cotidiano