PUBLICIDADE
Topo

Bombeiro é suspeito de colocar câmera em banheiro feminino de aeroporto

Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas - Divulgação
Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas Imagem: Divulgação

Felipe de Souza

Colaboração para o UOL, em Campinas

28/02/2020 20h06

A Polícia Civil de Campinas (SP), a 100 km da capital, indiciou um bombeiro civil que teria colocado uma microcâmera escondida dentro de um banheiro feminino.

A reportagem apurou que a câmera foi escondida em um par de botas e estava apontada para o chuveiro e o vaso sanitário. A apreensão do item aconteceu em janeiro, e desde então o caso é investigado. Por seguir em sigilo, a informação só vazou agora.

O suspeito foi identificado porque teria deixado algumas fotos no aparelho, além de outras imagens de mulheres que foram flagradas tomando banho.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública do Estado (SSP), o inquérito é comandado pela 4ª Delegacia de Atendimento ao Turista (Deatur).

"A 4ª Deatur instaurou inquérito policial que tramita em segredo de Justiça. O autor foi identificado e formalmente indiciado. Em (operação de) busca e apreensão foram apreendidos diversos eletrônicos, que foram encaminhados para perícia e, assim que finalizados, os laudos serão anexados ao Inquérito Policial", diz comunicado enviado ao UOL.

A Aeroportos Brasil, empresa responsável pela administração do terminal de Campinas, informou, por meio de nota, que o colaborador trabalhava para uma empresa terceirizada e também era socorrista. Ele foi demitido assim que o caso veio à tona.

"O homem prestava serviços como socorrista contratado por empresa terceirizada prestadora de serviços no ambulatório onde supostamente praticou os atos sob investigação. A empresa terceirizada registrou boletim de ocorrência contra o suspeito, a concessionária acompanha o caso e está à disposição das autoridades para colaborar no inquérito, que corre sob segredo de Justiça, segundo informou a Polícia Civil", complementa a concessionária.

O bombeiro vai responder pelo crime de "registro não autorizado da intimidade sexual", previsto no artigo 216-B do Código Penal Brasileiro. "Produzir, fotografar, filmar ou registrar, por qualquer meio, conteúdo com cena de nudez ou ato sexual ou libidinoso de caráter íntimo e privado sem autorização dos participantes". O crime prevê pena de detenção, de 6 meses a 1 ano, e multa.

A empresa que contratou o homem não foi encontrada pelo UOL para comentar o assunto.

Cotidiano