PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês
Caso Miguel: Manifestantes protestam em frente ao condomínio de luxo

Manifestantes protestam contra a morte do pequeno Miguel no Recife (PE) - Pedro de Paula/Estadão Conteúdo
Manifestantes protestam contra a morte do pequeno Miguel no Recife (PE) Imagem: Pedro de Paula/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

05/06/2020 18h30

Manifestantes saíram às ruas na tarde de hoje para protestar contra a morte do pequeno do Miguel, que caiu do 9º andar de um edifício de luxo e não resistiu, no Recife (PE). Familiares e amigos também participaram do ato ocorrido em frente ao condomínio de luxo, onde ocorreu o incidente.

No local, algumas pessoas deitaram no asfalto, soltaram balões pretos em forma de protesto e pediram justiça.

Miguel Otávio Santana da Silva, 5, caiu do 9º andar de um prédio do condomínio Pier Maurício de Nassau, localizado no bairro São José, área central de Recife.

A criança acompanhava a mãe ao trabalho, a empregada doméstica Mirtes Renata Souza, funcionária do prefeito do município de Tamandaré (PE), Sérgio Hacker (PSB), na última terça-feira (2), quando morreu ao cair prédio depois que foi deixada sozinha no elevador pela primeira-dama de Tamandaré, Sarí Mariana Gaspar da Corte Real.

Sarí da Corte Real chegou a ser presa em flagrante pelo crime de homicídio culposo (quando não há intenção de matar), mas o crime é afiançável e ela foi liberada para responder em liberdade. O valor da fiança pago pela investigada foi de R$ 20 mil.

Imagens do circuito interno do condomínio, que foram recolhidas pela Polícia Civil, mostram o menino entrando no elevador de serviço e a patroa da mãe dele segurando a porta, pedindo para ele voltar, mas depois ela resolve apertar um botão superior do painel do equipamento, solta a porta e o menino fica sozinho. O elevador para em um primeiro andar, mas depois segue para o 9º, onde o menino desembarca e sai pela porta que dá acesso à área de serviço do andar. Em seguida, o menino foi encontrado caído no térreo.

O menino procurava encontrar a mãe, que havia saído para passear com o cachorro de estimação dos patrões e deixou o menino com a empregadora, que estava fazendo as unhas com uma manicure. Os dois filhos dos patrões, de três e seis anos, estavam no apartamento.

Miguel morreu a caminho do hospital da Restauração, em um carro particular, depois que um médico que mora no prédio disse que o caso era gravíssimo. O Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) foi acionado, mas chegou depois que o menino foi socorrido.

O UOL tentou contato com Sérgio Hacker e com Sarí Corte Real, por meio de ligações telefônicas e mensagens pelo aplicativo WhatsApp, mas eles não deram retorno. A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa do prefeito, por meio de telefonemas e mensagens em WhatsAPp e até a publicação deste texto não obteve resposta.

Cotidiano