PUBLICIDADE
Topo

Zema diz que julho será 'crucial' para combater covid-19 em Minas Gerais

O governador Romeu Zema afirmou que o mês de julho será "crucial" na batalha contra a pandemia do novo coronavírus - Pedro Gontijo/Imprensa MG
O governador Romeu Zema afirmou que o mês de julho será "crucial" na batalha contra a pandemia do novo coronavírus Imagem: Pedro Gontijo/Imprensa MG

Do UOL, em São Paulo

30/06/2020 20h11

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), afirmou que o mês de julho será "crucial" na batalha contra a pandemia do novo coronavírus. Zema fez um paralelo com o futebol para falar da importância dos próximos dias no estado.

"Se fosse um jogo de futebol, eu diria que, como estamos agora indo para o ápice da curva, é como se estivéssemos jogando nos 30 minutos do primeiro tempo. Então, muitas pessoas encaram que o pior já ficou para trás, que já ganhamos esta batalha, esta guerra. Mas temos muito ainda pela frente. O mês de julho vai ser crucial. Vai ser como se fosse o intervalo do primeiro para o segundo tempo", disse em entrevista ao jornal Estado de Minas.

Para Zema, as ações de Minais Gerais para evitar a propagação da covid-19 até o momento foram adequadas, mas ele admitiu que ficou "tenso" com o aumento dos casos e óbitos nos últimos dias.

De acordo com o último boletim epidemiológico da Secretaria de Estado de Saúde (SES), Minas Gerais tem 45.001 casos confirmados da covid-19 e 965 óbitos.

"Vejo que, até o momento, conduzimos adequadamente. Tanto é que só o estado do Mato Grosso do Sul tem menos óbitos por 100 mil habitantes que Minas Gerais. Mas nossa situação se agravou muito nos últimos 15 dias. Isso nos deixa bastante tensos, mas o povo mineiro tem contribuído e vai continuar contribuindo. O setor público tem que fazer a sua parte, e as pessoas também. Eu diria que temos caminhado bem. Se o mês de julho passar e conseguirmos tolerar essa carga, com certeza estamos preparados para isso, o pior vai ter ficado para trás e, a partir daí, nossa situação fica bem menos crítica", afirmou.

Coronavírus