PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês
MG: Segurança morre atropelado por trem enquanto procurava abrigo da chuva

O segurança de 52 anos tentava se proteger da chuva junto com um colega de trabalho - Reprodução/TV Globo
O segurança de 52 anos tentava se proteger da chuva junto com um colega de trabalho Imagem: Reprodução/TV Globo

Do UOL, em São Paulo

24/09/2020 14h11

Cláudio Henrique de Souza, segurança da CBTU (Companhia Brasileira de Trens Urbanos), morreu na noite de ontem após ser atropelado por uma composição de trem na estação Carlos Prates, em Belo Horizonte, Minas Gerais.

A assessoria da PM (Polícia Militar) confirmou ao UOL que o homem, que tinha 52 anos, era segurança da estação onde o aconteceu o acidente.

Segundo o boletim de ocorrência, o expediente de Cláudio já havia terminado quando ele se reuniu com Elios Bruno Duarte Skaevola, 37, seu colega de trabalho, para irem embora. Elios contou à PM que ambos estavam caminhando próximo à estação Carlos Prates e, como estava chovendo, procuraram abrigo em um local perto que a dupla já frequentava.

De acordo com Elios, em determinado momento ele se afastou de Cláudio para atender uma ligação telefônica. A testemunha disse que viu a composição se aproximando e gritou para avisar, mas Cláudio não ouviu e a composição o atingiu segurança pelas costas. Elios pediu ajuda através do rádio da empresa.

Já Marcos Eduardo de Rezende, 38, maquinista que dirigia a composição, contou que o veículo estava a 60 km/h, quando sentiu um "baque" e puxou o freio de emergência. Ao descer, percebeu a vítima caída.

Ainda segundo o boletim, o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) foi chamado para atender o Cláudio, mas foi constatado o óbito do segurança ainda no local.

A Polícia Civil disse ao UOL que a perícia compareceu ao local e apura as circunstâncias da morte. "A Polícia Civil de Minas Gerais informa que a perícia técnica esteve no local e foi instaurado um inquérito para apurar as circunstâncias do acidente."

O UOL tenta contato com a CBTU, mas, até o momento, não conseguiu retorno.

Cotidiano