PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Órgão que livrou juíza acusada de racismo no PR viu ataque ao Judiciário

Juíza Inês Marchalek Zarpelon (à dir.), acusada de racismo após citar raça de réu negro em sentença - Divulgação/TJPR
Juíza Inês Marchalek Zarpelon (à dir.), acusada de racismo após citar raça de réu negro em sentença Imagem: Divulgação/TJPR

Vinicius Boreki

Colaboração para o UOL de Curitiba

08/10/2020 15h00

Responsável por arquivar o processo disciplinar contra a juíza Inês Marchalek Zarpelon, acusada de racismo por citar a raça de um acusado como evidência de crime, o OE (Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Paraná) puniu três magistrados nos últimos dois anos.

No caso da titular da 1ª Vara Criminal de Curitiba, no entanto, os desembargadores a livraram com base em argumentos como o histórico de vida de Zarpelon, perseguição por parte da imprensa e até o fato de a conhecerem há quase 30 anos. Também viram um ataque ao Judiciário no fato de terem de analisar a conduta da magistrada por este assunto.

Sem mencionar o teor dos casos, o TJ-PR informou ter aberto dois procedimentos para investigar juízes em 2018, com uma punição (censura à conduta). Em 2019, foram seis apurações, que resultaram em duas penas aplicadas (uma aposentadoria compulsória e uma advertência).

O CNJ (Conselho Nacional de Justiça) também pode apurar por conta própria ações contra juízes, mas delegou a tarefa à corregedoria local.

Composto por 25 desembargadores, o OE tem atribuições como aprovar propostas de orçamentos do Judiciário, analisar e julgar tanto os atos do governador paranaense, quanto crimes comuns e de responsabilidade de deputados estaduais e juízes.

Críticas à imprensa e conhecimento prévio da magistrada

O trecho polêmico da decisão de Zarpelon foi escrito no momento em que ela mensurava a pena a ser conferida a Natan Vieira da Paz, réu de 42 anos apelidado de Neguinho, que acabou condenado a 14 anos e 2 meses:

Seguramente integrante do grupo criminosos, em razão da sua raça

natan - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Sentença de cunho racista de juíza sobre Natan Vieira da Paz, homem negro de 42 anos
Imagem: Reprodução/Instagram

Relator do processo no OE foi o desembargador José Augusto Gomes Aniceto. Único negro na composição do órgão, ele afirmou em seu voto que conhece a juíza desde 1991.

"Conheci a servidora Inês atendendo a primeira vara. Era uma moça jovem, bonita, muito simpática, inteligente, muito dedicada ao trabalho, muito séria, concentrada naquilo que fazia", declarou.

Para Aniceto, foram as provas colhidas (interceptações telefônicas, fotos e vídeos), não a cor do condenado, que motivaram a condenação.

Ele acolheu os argumentos da defesa de que ela só reportou a conclusão das investigações, que associou a raça do suspeito à maneira de atuar do bando. Ao todo, nove pessoas foram condenadas, mas Natan era o único negro.

"Tenho, portanto, que não foi utilizado fator racista", disse o relator, que atribuiu a interpretação a um "equívoco técnico de redação em sinais e pontuação do período".

O TJ-PR negou ao UOL uma entrevista com Aniceto argumentando que a Lei Orgânica da Magistratura Nacional veda o juiz de "manifestar, por qualquer meio de comunicação, opinião sobre processo pendente de julgamento (...) ou juízo depreciativo sobre despachos, votos ou sentenças, de órgãos judiciais, ressalvada a crítica nos autos e em obras técnicas ou no exercício do magistério".

Durante a sessão, realizada no fim de setembro, só a desembargadora Regina Portes estava ausente. Os outros 23 integrantes do órgão decidiram de forma unânime pelo arquivamento.

Em suas declarações, defenderam a magistrada usando a vida pregressa dela, além de afirmarem que as críticas eram um ataque ao Judiciário.

Também acusaram a mídia de tentar "denegrir a imagem de nossa instituição" ao pinçar uma palavra de uma sentença de mais de cem laudas, como afirmou o desembargador Mario Helton Jorge.

O termo "denegrir", usado por Jorge, é tido como racista por considerar algo negro como negativo. Segundo o dicionário Michaelis, a palavra significa "tornar negro" ou "difamar".

Ex-presidente do TJ-PR, o desembargador Clayton Coutinho de Camargo disse que "o juiz só deve satisfação às leis e a sua consciência". Para ele e outros desembargadores, o julgamento não deveria ocorrer, porque a magistrada é a vítima neste caso.

Passamos a desconstruir autoridade do Poder Judiciário a quem, no estado Democrático de Direito, incumbe dar a cada um o que é seu. Gostaria de emprestar a solidariedade a magistrada sentenciante
Clayton Coutinho Maranhão, desembargador do TJ-PR

O desembargador Nilson Mizuta também se colocou do lado de Inês, a quem disse ter conhecido como serventuária, e disparou contra a imprensa:

Foi vítima de linchamento pela mídia

Cabe revisão, mas é difícil acontecer

Advogado e ex-conselheiro do CNJ, José Lucio Munhoz explica que o TJ-PR seguiu a determinação do Conselho para apuração, abertura e julgamento de procedimento disciplinar. Ministério Público, OAB e qualquer conselheiro do CNJ podem pedir a revisão do julgamento ao plenário do Conselho em até um ano. Mas isso é incomum.

"Para o Conselho rever uma decisão colegiada do Tribunal, o caso deve envolver circunstância de gravidade, repercussão ou a aparência de que a decisão adotada não foi a mais acertada para o caso. É costume que isso aconteça? Não. Na maioria das vezes, o CNJ verifica que a decisão do Tribunal, punindo ou não o magistrado, se apresenta razoável e adequada", diz.

Dois pesos, nenhuma medida

Para o reitor da Universidade Zumbi dos Palmares, José Vicente, houve erro do TJ-PR, já que a juíza poderia ser considerada uma "ré confessa".

A juíza foi explícita. Escreveu taxativamente que a distinção que ele encontrava se dava por conta da raça. Uma das manifestações do crime de racismo se dá através do discurso escrito, e ela escreveu isso. Não há como confrontar um fato real e objetivo. Está lá, escrito, o juízo de valor

Presidente da Comissão Nacional de Promoção da Igualdade do Conselho Federal da OAB, Silvia Cerqueira afirma que o comportamento da magistrada é fruto do racismo estrutural e os desembargadores foram "corporativistas" com a juíza.

Ficou muito claro que ela atrelou o comportamento do acusado à questão de raça. Houve infelicidade por parte dela e dos julgadores, que, talvez de forma corporativista, quiseram minimizar essa manifestação grave

Advogado da magistrada, Francisco Zardo considera correta a decisão do OE. Para ele, naquele trecho da sentença, a juíza apenas explicava a forma como atuava o grupo criminoso. "Foi um julgamento exaustivo e cuidadoso", afirma.

José Vicente, da Zumbi dos Palmares, critica ainda o uso da vida pregressa da juíza pelo OE para desqualificar o crime ocorrido.

Se você praticar o racismo naquele ato ou naquele gesto, não importa se todos os demais dias da sua vida tenha sido de postura irreparável. A impressão é que existem dois pesos e duas medidas em relação ao crime de racismo, especialmente se se tratar de uma integrante da justiça. Deixa a insegurança de o sistema de Justiça efetivamente tem a disposição de punir o racismo doa a quem doer

Procurada para comentar o caso da juíza, a Amapar (Associação dos Magistrados do Paraná) disse que não iria se manifestar sobre o assunto.

Cotidiano