PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
7 meses

Casal é detido por desacatar policiais: "Com quem pensa que está falando?"

Homem quebra vidro de carro da Secretaria Municipal de Saúde de Pirenópolis após discussão - Divulgação/Polícia Civil
Homem quebra vidro de carro da Secretaria Municipal de Saúde de Pirenópolis após discussão Imagem: Divulgação/Polícia Civil

Marilia Noleto

Colaboração para o UOL, em Goiânia

02/11/2020 15h27

Dois turistas de Goiânia foram detidos na madrugada de ontem na cidade turística de Pirenópolis, a cerca de 128 km da capital, por ameaçarem e danificarem o carro de duas servidoras da Secretaria Municipal de Saúde, que faziam ronda para coibir aglomerações no município como parte das ações de combate ao novo coronavírus. O casal foi liberado na manhã de hoje após pagar fiança de R$ 5 mil cada.

De acordo com o delegado Tibério Martins Cardoso, da Polícia Civil de Pirenópolis, os detidos são uma médica de 26 anos e o namorado dela, um engenheiro de 27 anos.

"O rapaz danificou uma viatura da vigilância sanitária, desacatou servidores da saúde e da polícia, e não obedeceu aos policiais na abordagem. Já a moça estava dirigindo embriagada, desacatou e desobedeceu (as autoridades), assim como o namorado", detalhou Tibério.

Uma das vítimas, a coordenadora de fiscalização de Pirenópolis, Tamara Alves, que estava acompanhada da colega Lorena Pires, relatou ao UOL que elas desciam do Bairro do Bonfim, pela rua Aurora, na noite de sábado, para terminar de fechar os estabelecimentos comerciais em atenção ao toque de recolher no município, que autoriza o funcionamento até a meia-noite. A confusão começou quando as fiscais se depararam com o veículo do casal no meio da rua, atrapalhando o tráfego.

"Deu para perceber que estavam muito alterados. Eu dei uma buzinada para pedir passagem e eles ficaram ainda mais nervosos. Começaram a buzinar e dizer insultos. Assim que conseguiram um espaço para estacionar, desceram e vieram para cima da gente", relatou Tamara.

A coordenadora disse que ficou com medo do homem estar armado e, imediatamente, acelerou. Neste momento, o suspeito deu um murro no para-brisa do veículo. Ela acredita que a intenção era atingir sua colega, Lorena, que também foi ameaçada.

"A moça disse que o pai era delegado e que iria cuidar dela de 'modo obscuro' e que sentia muito orgulho isso. Até perdão pediu antecipadamente", relatou Tamara.

Logo após o ocorrido, a servidora avistou uma viatura da Polícia Militar, que se deslocou para o local da briga, onde o casal foi abordado.

"Em momento algum eles colaboraram. Infelizmente foi preciso algemar os dois. A todo momento ele dizia ao comandante 'com quem você pensa que está falando? Eu sou engenheiro'. Sempre desrespeitando a equipe, dizendo 'o que essas meninas estão fazendo aqui, a essa hora da madrugada?'", relatou.

"Era um trabalho que deveria ter encerrado a uma hora da manhã. Infelizmente, só saímos às 8 horas de domingo da delegacia", lamentou Tamara.

Ainda de acordo com o delegado Tibério Martins, o casal foi autuado por desacato, dano ao patrimônio público e por dirigir sob a influência de álcool. As penas somadas dos crimes de ambos podem chegar a seis anos, segundo o delegado.

A Secretaria da Saúde de Pirenópolis marcou reunião com comando local da Polícia Militar para tomar providências para garantir mais segurança às agentes de saúde que atuam em ações de combate à covid-19.

O advogado do casal foi procurado pela reportagem do UOL, mas não se pronunciou até a publicação da reportagem.

Cotidiano