PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
2 meses

Covid-19: Hospital troca corpos e mulher é enterrada no lugar de idoso

Márcia (à esq.) e Marcelo (à dir.) morreram por covid-19 em hospitais diferentes, mas os corpos foram levados ao Hosptial Beneficência Portuguesa de Santos, onde ambos foram trocados - Reprodução/TV Globo
Márcia (à esq.) e Marcelo (à dir.) morreram por covid-19 em hospitais diferentes, mas os corpos foram levados ao Hosptial Beneficência Portuguesa de Santos, onde ambos foram trocados Imagem: Reprodução/TV Globo

Do UOL, em São Paulo

11/12/2020 10h00Atualizada em 11/12/2020 21h25

O corpo de uma mulher que morreu de covid-19 foi enterrado na tarde ontem no lugar de um idoso de 72 anos — que também faleceu em razão do coronavírus. As vítimas morreram em hospitais diferentes, mas foram levadas ao Hospital Beneficência Portuguesa de Santos, no litoral de São Paulo, para serem preparados para o sepultamento, no entanto, houve a troca dos corpos que estavam em urnas lacradas devido à covid-19. Em nota, a unidade de saúde pediu desculpas pela confusão e informou que abrirá sindicância para apurar o caso.

A mulher, identificada como Márcia Pereira Franco, tinha 48 anos e estava internada há 21 dias no Hospital Ana Costa. O corpo dela foi levado ao Hospital Beneficência Portuguesa de Santos, para fazer a preparação do corpo para o sepultamento. Quando a família da vítima chegou ao local foi informada que ela já havia sido enterrada por outra família. Os parentes da mulher ainda receberam a informação de que o corpo de Márcia seria desenterrado e levado ao Hospital novamente para um novo reconhecimento.

A família de Márcia disse ao telejornal Bom Dia SP, da TV Globo, que o corpo dela foi trocado pelo de Marcelo Aninguaçu de Oliveira, de 72 anos, que também morreu por covid-19, mas no Hospital Vitória. Apesar da morte em outra unidade de saúde, o corpo do idoso também foi levado ao Hospital Beneficência Portuguesa para ser preparado para o enterro.

Márcia Batista de Oliveira, filha de Marcelo, explicou que só foi informada da troca dos corpos quando já havia velado e enterrado o que acreditava que seria o corpo do pai dela. Segundo a mulher, os familiares do idoso estavam quase saindo do cemitério quando uma funcionária da administração do Hospital Beneficência Portuguesa avisou sobre a troca dos corpos.

"A família inteira que estava lá presente [no enterro] não conseguia acreditar que aquilo [a troca dos corpos] estava acontecendo. Parecia coisa de filme, de novela", disse a filha do idoso que revelou que chegou a escrever o nome do Marcelo na lápide, as datas de nascimento e falecimento durante o enterro.

Ao ser procurada, o Hospital Beneficência Portuguesa informou através de nota enviada ao UOL que os corpos estavam em caixões lacrados em razão da covid-19 e que os sepultamentos de Márcia e Marcelo estavam marcados com diferença de 30 minutos. A unidade de saúde ainda explicou que a informação sobre as saídas dos corpos do local foi invertida e os familiares das vítimas foram avisados assim que o engano foi percebido pela equipe do Serviço de Luto do Hospital.

A SSP (Secretaria de Segurança Pública) enviou um comunicado ao UOL no qual afirma que as famílias de Márcia e Marcelo registraram um boletim de ocorrência no 5º DP (Distrito Policial) de Santos após serem informados que os corpos haviam sido trocados. A SSP ainda explicou que o caso foi "encaminhado ao 2º DP da cidade para continuidade das investigações".

Questionado, o Hospital Beneficência Portuguesa não respondeu se os corpos de Márcia e Marcelo foram reconhecidos novamente por ambas as famílias e enterrados.

Confira a nota completa do Hospital Beneficência Portuguesa de Santos:

A direção do hospital abrirá sindicância para apurar a responsabilidade na troca de informação aos familiares sobre o sepultamento do Sr. Marcelo Aninguaçu de Oliveira (72 anos) e da Sra Márcia Pereira Franco (48 anos), ambos na tarde desta quinta-feira, no Cemitério de Areia Branca, nesta cidade.

Os corpos [estavam] em urnas lacradas devido ao falecimento por Covid-19, em suas identificações constando os horários de sepultamento com diferença de 30 minutos, respectivamente, 13h e 13h30.

A informação sobre as saídas dos féretros foi invertida e quando o motorista do segundo sepultamento se preparava para sair, a equipe do Serviço de Luto percebeu o engano e de imediato entrou em contato com a direção do Cemitério onde já estava urna com o corpo que deveria ser sepultado às 13h30 e lá também estavam seus familiares.

De imediato foi providenciada a informação para que os corpos não fossem enterrados com nomes trocados.

Lamentamos profundamente a dor dos familiares pela perda de seus entes queridos, bem como pelo imenso transtorno causado, pois em meio a pandemia da Covid-19, quando fatores alheios à nossa vontade, independentemente dos cuidados que procuramos ter diante das diferentes situações ocasionadas pelo momento de dor em que vivemos, aflorado pelas incontáveis perdas, somos surpreendidos por essa adversidade.

A despeito das providências que serão tomadas, nosso pedido de desculpas.

Cotidiano