PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Promessas de campanha, CEUs são entregues e seguem fechados pela pandemia

CEU Cidade Tiradentes - Enedina Alves Marques, na zona leste de São Paulo, está pronto, mas ainda não abriu - Lucas Borges Teixeira/UOL
CEU Cidade Tiradentes - Enedina Alves Marques, na zona leste de São Paulo, está pronto, mas ainda não abriu Imagem: Lucas Borges Teixeira/UOL

Lucas Borges Teixeira

Do UOL, em São Paulo

13/12/2020 04h00

Muitos moradores do Conjunto Habitacional Barro Branco, na Cidade Tiradentes, zona leste de São Paulo, sabem onde fica o novo CEU (Centro Educacional Unificado) do bairro, que agora leva o nome da engenheira Enedina Alves Marques. Só não sabem que ele está pronto desde agosto.

"Não sei se está funcionando, não. Nunca vi aberto", conta a feirante Lucila Dias, que trabalha a poucas quadras do complexo. "Já está pronto, sim. Só não abriu", respondeu um cliente que comia pastel na barraca. Esta é a situação de 12 CEUs concluídos por Bruno Covas (PSDB). Como prometido, eles foram entregues, mas, por causa da pandemia do novo coronavírus, ainda não foram abertos.

Covas, que assumiu a Prefeitura de São Paulo em abril de 2018, após a eleição de João Doria (PSDB) para o governo estadual, tomou a conclusão dos 12 CEUs, parados desde a gestão de Fernando Haddad (PT) (2013-2016), como uma das principais metas da sua gestão —e, neste ano, de propaganda da campanha eleitoral.

De acordo com a Prefeitura, todos estes escolões estão prontos e só um ainda não foi inaugurado: o da Freguesia, na zona oeste, com previsão de entrega para a próxima semana. Entre os outros 11, oito ficam na zona leste e três na zona norte. Ao todo, as obras custaram R$ 543 milhões e deverão atender a pouco mais de 6 mil alunos, além de oferecer atividades de esporte, cultura e lazer para a comunidade.

O UOL visitou seis deles na semana passada e constatou que, de fato, estão prontos, mas parados. Alguns funcionam com gestores e aulas remotas. Outros têm apenas um ou dois seguranças.

CEU José Bonifácio - Dragão do Mar, na zona leste de São Paulo, também está entregue, mas não abriu - Lucas Borges Teixeira/UOL - Lucas Borges Teixeira/UOL
CEU José Bonifácio - Dragão do Mar, na zona leste de São Paulo, também está entregue, mas não abriu
Imagem: Lucas Borges Teixeira/UOL

As atividades extracurriculares para o ensino infantil e fundamental estão autorizadas na capital, assim como as aulas regulares para o ensino médio. A Prefeitura diz que segue "os protocolos de volta às aulas da rede, construído em conjunto com educadores e o Plano São Paulo". "O retorno das unidades é facultativo e deve ser aprovado pelo conselho de escola", afirma a administração municipal.

Estes conselhos são formados por pessoas da comunidade, pais de alunos e professores. Cada unidade tem o seu. Dado contexto atual, dos 12, só os dois entregues em fevereiro formaram os grupos, que optaram pelo não retorno. Os outros ainda não têm.

"Falaram que inaugurou"

A aposentada Maria de Lourdes, 71, mora na Cohab Padre José de Anchieta, em Artur Alvim, zona leste, há 40 anos. Ela conta que ouviu dizer que o CEU Abdias do Nascimento foi inaugurado, mas "duvida", pois não conhece ninguém que tenha entrado nele.

Para chegar ao CEU, localizado atrás do conjunto habitacional, há uma barreira na rua. Apenas dois seguranças fazem a ronda da construção, finalizada. Ambos garantem que, dentro, "está tudo lindo", mas nenhum sabe informar quando deverá abrir.

Entregue em novembro, a unidade ainda tem a tinta fresca nas grades, mas já apresenta alguns problemas da inatividade. As piscinas externas, protegidas por catracas, estão verdes, sem a devida manutenção.

Piscinas estão verdes no CEU José de Anchieta - Abdias do Nascimento, em Artur Alvim, na zona leste de São Paulo - Lucas Borges Teixeira/UOL - Lucas Borges Teixeira/UOL
Piscinas estão verdes no CEU José de Anchieta - Abdias do Nascimento, em Artur Alvim, na zona leste de São Paulo
Imagem: Lucas Borges Teixeira/UOL

A reportagem visitou ainda outros CEUs na zona leste: Carrão - Carolina Maria de Jesus, no Tatuapé; José Bonifácio - Dragão do Mar, no Jardim São Pedro; Parque do Carmo - Almirante Negro, em Itaquera; e São Miguel - Luiz Melodia, em São Miguel Paulista. Todos com estrutura externa pronta, mas fechados.

No CEU São Miguel, os funcionários contam que já há crianças matriculadas e que estão tendo aula à distância. Este foi o CEU visitado com maior atividade interna dos seguranças e o único que o UOL teve acesso ao interior.

A piscina interna e as quadras externas estão limpas e com sinal de interditadas. Nas salas vazias, as cadeiras novas empilhadas. A unidade tinha acabado de receber os vales-merenda, a serem enviados para as famílias.

CEU São Miguel - Luiz Melodia, na zona leste de São Paulo, tem locais de lazer interditados por causa da pandemia - Lucas Borges Teixeira/UOL - Lucas Borges Teixeira/UOL
CEU São Miguel - Luiz Melodia, na zona leste de São Paulo, tem locais de lazer interditados por causa da pandemia
Imagem: Lucas Borges Teixeira/UOL

Fechados por causa da covid, diz Prefeitura

Além de entrarem na lista das metas de gestão de Covas, os CEUs também foram usados na aproximação dele e da ex-petista Marta Suplicy (sem partido), que criou os centros de educação na sua gestão (2001-2004), e o apoiou durante o processo eleitoral.

"Os novos CEUs estão prontos, no entanto, por força do afastamento social imposto pela covid-19 e por regras eleitorais que estavam vigentes até o término do segundo turno, os espaços não foram inaugurados e nem estão recebendo pessoas", informou a Secretaria Municipal de Educação ao UOL.

Entre eles, só o Parque do Carmo e o Vila Alpina, inaugurados no início do ano, chegaram o iniciar aulas presenciais em fevereiro —e as atividades interrompidas no mês seguinte com o fechamento das escolas. Atualmente, como todo o estado, a cidade está classificada na fase amarela do Plano São Paulo.

A secretaria disse ainda que "não há falha na gestão" e, quanto às piscinas verdes, completou que "não estão sendo utilizadas". Por causa da pandemia, também não há data para inauguração e pleno funcionamento dos locais.

Cotidiano