PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

SP: Vizinhos fazem panelaço contra suspeito de atirar objetos em varandas

Câmera flagra Jin Ho Chang ameaçando outros moradores no condomínio - Reprodução/TV Globo
Câmera flagra Jin Ho Chang ameaçando outros moradores no condomínio Imagem: Reprodução/TV Globo

Beatriz Gomes e Anahi Martinho

Do UOL, em São Paulo

18/01/2021 17h51Atualizada em 19/01/2021 07h16

Condôminos de um bairro da Vila Andrade, em São Paulo, fizeram um panelaço na noite de ontem contra um morador que é suspeito de ameaçar, atirar com armas de airsoft contra as janelas de terceiros e arremessar objetos da varanda de seu apartamento. O protesto aconteceu durante a transmissão da reportagem que denunciava o caso produzida pela Fantástico, da TV Globo.

"Rolando um panelaço FORA VIZINHO DOIDO aqui na vizinhança", escreveu uma moradora de um dos apartamentos atacados, identificada apenas como Juliana.

Procurada pelo UOL, Juliana afirmou que está recebendo ameaças e comentários negativos após a repercussão do caso. Ainda assim, espera que medidas judiciais sejam finalmente tomadas contra o vizinho.

"O panelaço não foi protesto, foi só uma comemoração ao caso ganhando tração na mídia, visto que nem a polícia nem o jurídico conseguiam mudar essa situação", disse a moradora.

No Twitter, ela escreveu: "São quatro anos. Uma dezena de pessoas que já se mudou. Gente vivendo com medo espero do fundo do coração que todo esse esforço sirva para trazer justiça ou vai dar muito certo ou o bicho vai espanar de vez".

O tuíte de Juliana com o vídeo do panelaço teve mais de 37 mil curtidas, 2,7 mil retuítes e 800 comentários. Devido à repercussão, na manhã de hoje, a gerente de conteúdo voltou a comentar o caso. Primeiro ela se dedicou a responder pessoas que questionaram o porquê os condôminos não revidaram fisicamente aos supostos ataques do homem, identificado pelo Fantástico como o comerciante coreano Jin Ho Chang.

"Noventa e cinco por cento das vítimas que ele ameaçava eram mulheres que moravam sozinhas, solteiras ou divorciadas. Sim, elas tinham (e têm) medo", explicou. Segundo as vítimas ouvidas na reportagem, a principal motivação para os crimes seria a presença e latidos dos cachorros dos moradores.

A moradora também escreveu que os prédios demonstrados na reportagem não são de "alto padrão" e comentou que mora no local há dois meses e o dono do apartamento não tinha consciência do que estava acontecendo.

Juliana também explicou que os moradores estão tentando tomar medidas legais, baseadas na justiça, contra o suspeito e qualquer outra atitude via não-jurídica pode atrapalhar o que eles estão tentando fazer.

Ataque

No último dia 12, a influenciadora já havia comentado no Twitter que recebeu uma ligação do zelador do seu prédio questionando se havia algum vidro danificado na sacada dela.

"O zelador ligou aqui em casa "Dona Juliana, você pode verificar se tem algum vidro quebrado na sacada?" E eu: "tem não, por que? aconteceu algo?" "tô perguntando porque um cara do prédio da frente não gosta de cachorro e tá atirando de airsoft no nosso prédio" OOOOIIII????????".

E continuou: "Orra vou ficar tranquilíssima sabendo que tem um MALUCO no prédio da frente com uma airsoft tentando acertar os cachorros do prédio???? E ainda dizem que o maluco tem mais de 20 BO [boletim de ocorrência] nas costas, mas ninguém consegue pegar ele no flagra. Já tentaram fazer de tudo: filmar (tem uns 300 apartamentos no prédio da frente), expulsar, processar, enfim, diz que tem uma treta homérica do nosso prédio com o prédio da frente e ele já quebrou vários vidros das sacadas daqui, maior loucura".

Pouco mais de duas horas depois da publicação, Juliana voltou às redes sociais para mostrar que o apartamento dela havia sido atingido.

"URGENTE O CARA ACABOU DE ATIRAR NA MINHA CASA ENCONTRAMOS A BOLINHA eu estou tremendo de raiva. Está síndico, zelador, todo mundo aqui em casa foram DEZOITO TIROS contra o prédio já tem dois processos contra o prédio rolando, tem uma dezena de BOs. Colocamos câmeras filmando o prédio agora vamos com tudo pra cima e descobrir quem é esse idiota eu tô ESPUMANDO DE RAIVA".

O Fantástico tentou entrar em contato com Jin Ho Chang por telefone e mensagem, além de tentar falar com os advogados dele, mas não tiveram retorno de ambos. Hoje, o UOL também tentou entrar em contato com os advogados do comerciante por telefone, porém, não houve respostas.

Entenda o caso

Conforme denunciou ontem no "Fantástico", o morador Jin Ho Chang é suspeito de ameaçar os condôminos, atirar com armas de airsoft da janela e arremessar objetos da varanda do seu apartamento. Jin coleciona multas e advertências no prédio por destratar funcionário da portaria, arremessar objetos da sacada e fazer ameaças à integridade física das pessoas.

"É uma sensação de pânico. Eu estou me sentindo um presidiário, para ser sincero. Eu uso metade do meu apartamento, eu não tenho mais usado a sala [de estar]. Cortinas ficam fechadas 24 horas por dia", contou à reportagem do Fantástico um dos moradores, que não quis ser identificado.

Uma das vizinhas de Jin mostrou 19 marcas de tiros na varanda do seu apartamento — ela teve que doar os cachorros para uma amiga com medo da integridade física dos animais. Um especialista apontou para o "Fantástico" que os projéteis seriam de armas de airsoft.

O condomínio chegou a filmar as ameaças do morador. Em um dos vídeos, ele aponta em direção a um apartamento e arregaça as mangas, como se estivesse chamando para briga. Segundo depois arremessa um objeto.

A SSP (Secretaria de Segurança Pública) do estado informou à Globo que abriu um inquérito, mas não entrou em mais detalhes. Ao UOL, a pasta informou que "um caso foi registrado como dano pela Delegacia Eletrônica e encaminhado para o 89º DP, que instaurou inquérito policial para investigar os fatos".

"O setor de investigação da unidade trabalha para esclarecer a autoria, comprovar a materialidade e levantar outras ocorrências semelhantes pela região. Assim que todo o trabalho de polícia judiciária for concluído, será enviado à Justiça para responsabilização dos culpados", informou a nota.

Cotidiano