PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

PM que matou motorista baleado na Linha Amarela se entrega no Rio

Jefferson Oliveira alegou ter pensado que se tratava de um assalto; família de Marcos André Lacerda de Paula negou discussão em meio ao trânsito - Reprodução/TV Globo
Jefferson Oliveira alegou ter pensado que se tratava de um assalto; família de Marcos André Lacerda de Paula negou discussão em meio ao trânsito Imagem: Reprodução/TV Globo

Marcela Lemos

Colaboração para o UOL, no Rio de Janeiro

22/01/2021 09h30Atualizada em 22/01/2021 11h45

O policial militar Jefferson Oliveira, lotado no Batalhão de Choque do Rio de Janeiro, se entregou espontaneamente na tarde de ontem em uma delegacia do Leblon, na zona sul da cidade, após a Justiça expedir um mandado de prisão contra ele pela morte do motorista de aplicativo, Marcos André Lacerda de Paula, de 24 anos.

O motorista foi baleado na cabeça enquanto passava pela Linha Amarela - via expressa que liga as zonas norte e oeste do Rio. O caso ocorreu em outubro.

De acordo com as investigações, o carro da vítima seguia o veículo do PM em alta velocidade e tentou ultrapassá-lo. No momento que os dois veículos ficaram lado a lado, o policial abaixou o vidro e efetuou o disparo que atingiu a cabeça da vítima. Marcos perdeu o controle do veículo e bateu na mureta da via. Ele morreu no local.

Segundo a Polícia Civil, o autor do disparo foi identificado em 10 dias. Em depoimento, o acusado disse ter pensado que seria assaltado.

Procurada, a PM informou apenas que o militar encontra-se na Unidade Prisional da Polícia Militar, em Niterói, na região metropolitana do Rio. Na época, a corporação havia informado que acusado havia sido afastado das funções e que a arma dele havia sido recolhida. Um procedimento apuratório interno também foi instaurado para apurar a conduta do policial.

Marcos era noivo, apaixonado por automobilismo e tinha comprado o carro que dirigia poucos meses antes. Ele chegou a fazer uma tatuagem com a imagem do veículo. Um casal de amigos, que estava no carro voltando com ele de um evento, não se feriu. A família do motorista negou discussões no trânsito.

Cotidiano