PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
2 meses

SP: Padre Júlio Lancellotti quebra pedras colocadas contra moradores de rua

Padre caminha entre pedras instaladas pela Prefeitura de São Paulo sob o viaduto Dom Luciano Mendes de Almeida, no bairro do Tatuapé, na Zona Leste da capital - Reprodução/Twitter
Padre caminha entre pedras instaladas pela Prefeitura de São Paulo sob o viaduto Dom Luciano Mendes de Almeida, no bairro do Tatuapé, na Zona Leste da capital Imagem: Reprodução/Twitter

Do UOL, em São Paulo*

02/02/2021 13h42

O Padre Júlio Lancellotti, coordenador da Pastoral do Povo de Rua da Arquidiocese de São Paulo, foi até o viaduto Dom Luciano Mendes de Almeida, no bairro do Tatuapé, em São Paulo, para quebrar a marretadas algumas das pedras que foram colocadas pela Prefeitura da capital no local, com o objetivo de impedir a pernoite de moradores de rua.

Em publicação nas redes sociais, o padre mostrou sua "indignação diante da opressão" que a obra da gestão do prefeito Bruno Covas (PSDB) representa para ele.

f - Reprodução/Twitter - Reprodução/Twitter
Lancellotti quebrou algumas das pedras instaladas sob um viaduto no Tatuapé
Imagem: Reprodução/Twitter

"Marretada nas pedras da injustiça", escreveu Lancellotti, reconhecido na capital paulista por ser defensor e ativista pelos direitos dos moradores de rua, que somavam 24.344 pessoas em 2019 segundo censo feito pela Prefeitura.

Com a pandemia de covid-19, estima-se que esse número possa ter aumentado consideravelmente.

"É desumano, parece um campo de concentração", afirmou o padre à TV Globo, enquanto acompanhava na Zona Leste o trabalho de uma equipe contratada pela Prefeitura de São Paulo, que decidiu desfazer a obra quatro dias após ela ser iniciada.

"A segunda questão é do gasto público, da irracionalidade de uma cidade com tanto problema gastar todo esse dinheiro nisso", completou Lancellotti.

A Prefeitura de São Paulo afirmou em nota que a determinação para realizar a obra foi uma "decisão isolada" de um funcionário da Subprefeitura da Mooca, sob o comando de Guilherme Kopke Brito. A gestão de Covas informou que exonerou o servidor responsável pela ação.

pedras - Reprodução/TV Globo - Reprodução/TV Globo
Prefeitura de São Paulo iniciou hoje pela manhã a remoção das pedras, poucos dias após a instalação
Imagem: Reprodução/TV Globo

"Isso eles dizem que é fato isolado. Não é verdade. É política dessa subprefeitura da Mooca. Já tinham feito em outro na avenida Salim Farah Maluf", protestou Lancellotti em entrevista ao Estadão, se referindo ao viaduto Antonio de Paiva Monteiro.

"Nós temos sugerido à administração a locação social, que é um caminho já no mundo todo utilizado. A outra coisa, a bolsa aluguel", afirmou Lancellotti sobre alternativas de apoio à população de rua que tem feito à administração paulistana.

*Com Estadão Conteúdo

Cotidiano