PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Criança é resgatada pedindo comida em ruas do PI; polícia investiga rapto

Menino teria sido levado da mãe, no Rio de Janeiro - Reprodução
Menino teria sido levado da mãe, no Rio de Janeiro Imagem: Reprodução

Júlia V. Kurtz

Colaboração para o UOL, em Passo Fundo (RS)

01/03/2021 17h59

Um menino de aproximadamente seis anos foi resgatado pelo Conselho Tutelar em Teresina após ser encontrado vivendo na rua com um homem que alegava ser o pai dele. A polícia suspeita que a criança tenha sido sequestrada e obrigada a mentir sobre a própria identidade.

Quem inicialmente desconfiou de que havia algo errado foi a empresária Samanta Dourado. No dia 17 de fevereiro, ela estava em um posto de gasolina quando foi abordada pelo suspeito. Em seguida, a criança, que se apresentou como Gabriel, se aproximou e pediu comida. Naquele momento, ela aparentava não estar bem cuidada, com dentes escuros e calos nos pés.

Comovida, a empresária pagou a hospedagem dos dois em uma pousada e, depois, alugou uma quitinete para os dois. "Sem tetos, roupas, dinheiro, comida e emprego, que lhes restou foi apenas a esperança de dias melhores", escreveu ela no Facebook.

Dias depois, quando foi visitá-los, Dourado percebeu que o suspeito havia vendido o botijão de gás da cozinha e decidiu chamar o Conselho Tutelar. No momento da abordagem, ele estava na sala do apartamento usando drogas.

Buscas revelaram que o suspeito não era o verdadeiro pai do menino. A suspeita é que ele teria tido um caso com uma mulher no Rio de Janeiro e o filho dela raptado depois que o relacionamento acabou. Ele está sendo investigado pela polícia, mas não foi preso.

Gabriel foi autorizado a ficar com Samanta por dois dias e foi transferido ontem para um abrigo. A família da empresária abriu uma vaquinha virtual para custear as despesas.

Segundo o Conselho Tutelar, Gabriel deve receber o acompanhamento de psicólogos nos próximos dias para evitar a revitimização. O caso ainda está sendo investigado.

Cotidiano