PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
15 dias

Restrições são ignoradas, e banhistas movimentam praias do Rio de Janeiro

Do UOL, em São Paulo

18/04/2021 18h40Atualizada em 18/04/2021 19h21

Mesmo com as restrições impostas para conter o avanço da covid-19, banhistas aproveitaram o domingo de sol e movimentaram as praias do Rio de Janeiro. Em Copacabana e no Leme (foto abaixo), ambos na zona sul, foi possível ver gente tomando banho de sol e de mar, além de ambulantes vendendo comida, bijuterias e roupas — atividades atualmente proibidas, segundo decreto da prefeitura.

A princípio, as medidas valeriam até amanhã, mas foram prorrogadas até 27 de abril. Uma das justificativas dadas pela prefeitura para esse adiamento foi a recomendação da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) feita na quarta-feira (14) sobre a importância da continuidade da restrição da circulação das pessoas e de algumas atividades econômicas, especialmente nas regiões metropolitanas.

"As medidas de restrição de mobilidade e de algumas atividades econômicas, adotadas nas últimas semanas por diversas prefeituras e estados, estão produzindo êxitos localizados e podem resultar na redução dos casos graves da doença nas próximas semanas. No entanto, ainda não tiveram impacto sobre o número de óbitos e no alívio das demandas hospitalares", alertaram os pesquisadores.

Praia do Leme - Bruno Martins/Futura Press/Estadão Conteúdo - Bruno Martins/Futura Press/Estadão Conteúdo
Movimentação na praia do Leme, na zona sul do Rio; permanência na areia está proibida
Imagem: Bruno Martins/Futura Press/Estadão Conteúdo

Por isso, seguem proibidas a circulação de pessoas nas ruas das 23h às 5h e a permanência na areia das praias em qualquer horário. Só está permitida a prática de atividades físicas coletivas em áreas públicas, praças e praias, desde que não gerem aglomerações.

Boates e casas de show também continuam fechadas, enquanto outros estabelecimentos funcionam com restrição de horário. Bares e restaurantes, por exemplo, só poderão atender presencialmente até as 21h. O comércio não essencial poderá abrir das 10h às 18h; os serviços não essenciais, das 12h às 21h.

Estabelecimentos culturais e de lazer, como museus, bibliotecas, zoológico e parques de diversões, só podem funcionar das 12h às 20h. Nos clubes sociais e esportivos, o horário é das 6h às 21h.

A capital fluminense já soma 22.497 mortes causadas pelo coronavírus, de acordo com último balanço divulgado pela prefeitura. Já o total de infectados é de 245.450. Pouco mais de 1,2 milhão de pessoas — 18,2% da população carioca — já foram vacinadas com pelo menos uma dose; outras 327.839 tomaram as duas.

Fiscais impedem "festão"

Ontem, fiscais da prefeitura do Rio impediram a realização de uma festa com estrutura para receber 500 pessoas no Recreio dos Bandeirantes, zona oeste da cidade. O estabelecimento foi multado por violar as medidas sanitárias impostas em decorrência da pandemia de covid-19.

A equipe de fiscalização da Seop (Secretaria Municipal de Ordem Pública) chegou ao local quando cerca de 50 pessoas já estavam presentes. Uma bilheteria estava estruturada para venda de ingressos, e o equipamento de som para um show ao vivo também estava montado.

Todo o material foi apreendido, incluindo comidas e bebidas, totalizando 3.774 itens.

Além de impedir o evento, a Seop efetuou ontem 1.829 autuações, com 85 multas aplicadas a bares, restaurantes e ambulantes. A fiscalização também levou ao fechamento de 30 estabelecimentos.

(Com Agência Brasil)

Coronavírus