PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
15 dias

Modelo é achada morta com tiro na cabeça em SC; polícia investiga

Jessyca Egle, de 29 anos, morreu com tiro na cabeça em SC - Arquivo Pessoal
Jessyca Egle, de 29 anos, morreu com tiro na cabeça em SC Imagem: Arquivo Pessoal

Abinoan Santiago

Colaboração para o UOL, em Florianópolis

22/04/2021 19h21Atualizada em 22/04/2021 21h50

A Delegacia de Polícia Civil de Porto Belo, a 68 quilômetros de Florianópolis, abriu inquérito para investigar a morte da modelo fotográfica Jessyca Egle, de 29 anos.

Ela foi encontrada sem vida anteontem na casa de uma amiga. A vítima estava com uma marca de disparo de arma de fogo na cabeça, informou a Polícia Militar (PM).

Jessyca era moradora de Balneário Camboriú e passava alguns dias na casa da amiga, a princípio qualificada como testemunha na investigação.

A modelo visitava a colega desde o último sábado (17), quando havia chegado de Porto Alegre, onde mora a família.

De acordo com a PM, a amiga acordou por volta das 7h ao ouvir um estampido de arma de fogo dentro do imóvel. Ao levantar, encontrou Jessyca já sem vida com uma pistola calibre 380 ao lado. A investigação quer saber se o disparo partiu da própria modelo ou de outra pessoa.

A casa e os demais imóveis das redondezas não possuem câmeras de segurança que pudessem registrar alguém entrando ou saindo do imóvel.

"Pelo o que foi relatado, tinha duas pessoas na casa. A vítima e outra mulher apontada, a princípio, como testemunha. Ela disse que a Jessyca teria um problema com um relacionamento anterior e que encontrava-se chateada em razão disso, mas com comportamento normal", afirmou o tenente Jubert dos Santos.

A arma estava com o registro atrasado, mas a PM não divulgou quem era o proprietário nos documentos.

"A perícia vai avaliar todos os vestígios e vão tentar entender a dinâmica para no final apontar se foi suicídio ou outra causa diferente do que a testemunha informou", acrescentou o tenente.

Procurada pela reportagem do UOL, a família da modelo disse que não se manifestaria sobre o caso.

A delegada Luana Backes, que comanda o inquérito, informou que comentará sobre a investigação somente se for concluída a existência de crime.

Ajuda

Caso você esteja pensando em cometer suicídio, procure ajuda especializada como o CVV e os CAPS (Centros de Atenção Psicossocial) da sua cidade.

O CVV (https://www.cvv.org.br/) funciona 24 horas por dia (inclusive aos feriados) pelo telefone 188, e também atende por e-mail, chat e pessoalmente. São mais de 120 postos de atendimento em todo o Brasil.

Cotidiano