PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Porco derruba e ataca entregador de app, que leva pontos nas nádegas; veja

Simone Machado

Colaboração para o UOL, em São José do Rio Preto (SP)

20/07/2021 08h34Atualizada em 20/07/2021 14h27

O entregador Willian de Souza Rodrigues, de 43 anos, ficou ferido após ser derrubado da motocicleta e ser atacado por um porco, em Franca, a 397 km de São Paulo. O ataque do animal, que estava solto na rua, ontem, foi flagrado por um motorista e circula nas redes sociais.

O registro foi feito na rua Fábio Carlos de Vilhena, no Bairro Jardim Bonsucesso, zona oeste do município. Nas imagens é possível ver o porco entre os carros. Ele avança no entregador, que acaba sendo derrubado da moto.

Sem conseguir espantar o porco, o homem deixa o veículo e tenta correr para evitar ser atacado. Ele ainda usa a bolsa de entregas, mas acaba derrubado e mordido pelo animal.

Wiilian foi socorrido pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) e encaminhado até a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do Aeroporto. Ele sofreu uma perfuração profunda nas nádegas e precisou levar 14 pontos.

"Foi uma situação que nunca imaginei passar. Estava voltando de uma entrega, quando o animal saiu de uma mata próxima e veio para cima de mim. Tentei correr, mas caí. O que mais me chateia é que diversas pessoas estavam vendo o porco me atacar e não fizeram nada para me ajudar. Se fosse uma criança, tinha morrido", desabafa o entregador.

Amigos se unem e criam campanha virtual

Devido ao ferimento, o entregador, que também trabalha como professor de dança, terá que ficar 30 dias sem trabalhar. Para ajudar nos custos, amigos criaram uma campanha virtual com o objetivo de arrecadar R$ 3 mil.

Moto é destruída por porco - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
Moto de entregador ficou destruída após ataque de porco
Imagem: Arquivo Pessoal

"Eu estou há oito meses trabalhando como entregador justamente porque não posso exercer a minha atividade principal, professor de dança, devido à pandemia. Agora sem conseguir sair para trabalhar as coisas ficam difíceis, tenho um filho de ano que depende de mim", relata Willian.

Ainda segundo a vítima, no dia do ataque, um homem esteve no local para recolher o porco e se identificou como o dono do animal. "Ele pegou meu contato e disse que arcaria com as despesas, mas até agora nada. A minha moto vai ficar em quase R$ 800 e não sei como vou pagar", lamenta.

Cotidiano