PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Polícia busca suspeito de causar atropelamento após briga por máscara

Economista Eduardo Debaco relata agressões e atropelamento após pedir uso de máscaras a manifestantes - Arquivo pessoal
Economista Eduardo Debaco relata agressões e atropelamento após pedir uso de máscaras a manifestantes Imagem: Arquivo pessoal

Lola Ferreira

Do UOL, no Rio

03/08/2021 14h36

A Polícia Civil do Rio de Janeiro busca informações para identificar um homem suspeito de causar um atropelamento em Ipanema, zona sul do Rio de Janeiro, após uma briga por uso de máscaras.

O caso aconteceu no domingo (1º), dia de manifestação de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pelo voto impresso.

De acordo com o primeiro depoimento coletado pela polícia, o investigado —um homem branco medindo cerca de 1,85 m— caminhava com um grupo vestido de roupas nas cores da bandeira do Brasil e não usava máscaras. No registro de ocorrência, a vítima disse que se tratava de manifestantes.

Ao passar por eles, o economista Eduardo Debaco, 49, reclamou da falta do item de proteção. Segundo ele, o homem não identificado reagiu com agressões.

Debaco mostra raio-x da perna quebrada após briga com manifestantes - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Debaco mostra raio-x da perna quebrada após briga com manifestantes
Imagem: Arquivo pessoal

Jogado da calçada para a rua, Debaco foi atropelado por um carro, que não conseguiu desviar a tempo. Com isso, quebrou a perna em vários pontos e passou por duas cirurgias. As informações são do advogado Rodrigo Mondego, que representa o economista.

De acordo com Mondego, o motorista prestou toda a assistência e auxiliou no socorro, já que também fora surpreendido com o empurrão que jogou Debaco para a rua.

Os policiais ouviram o economista no hospital Copa D'Or, onde esteve internado. A Polícia Militar informou que não foi acionada para a ocorrência, mas que também foi ao hospital e ouviu a mesma versão relatada no registro de ocorrência.

O hospital informou ao UOL que não comenta o estado de saúde de pacientes sem autorização.

No Twitter, Mondego publicou um vídeo em que Debaco diz acreditar que Polícia Civil irá encontrar o homem.

Ato em Copacabana reuniu milhares de manifestantes

O ato de apoiadores de Bolsonaro reuniu milhares de pessoas na manhã de domingo. A pauta principal era o voto impresso, e a maioria dos manifestantes vestiam camisas nas cores da bandeira brasileira ou empunhavam uma.

Não há registro oficial do número de participantes, mas duas pistas da avenida Atlântica ficaram cheias por ao menos duas quadras.

Bolsonaro participou por videochamada e reforçou a reivindicação dos manifestantes, com críticas ao ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) e presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Luis Roberto Barroso.

Os atos surgem após ilações do presidente sobre fraude nas eleições brasileiras. Entretanto, nunca houve qualquer comprovação.

Na Câmara dos Deputados, está em tramitação a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 135/19, a ser votada no próximo dia 5 em comissão especial. O projeto de Bia Kicis (PSL-DF) prevê a obrigatoriedade da impressão do voto em papel para possível conferência em uma urna física, após o voto na urna eletrônica.

Cotidiano