PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
8 meses

Estudante morta em balada de MG foi baleada pelo namorado, conclui polícia

Yasmin foi morta em frente a boate de Minas Gerais - Reprodução/Redes Sociais
Yasmin foi morta em frente a boate de Minas Gerais Imagem: Reprodução/Redes Sociais

Rodrigo Scapolatempore

Colaboração para o UOL, em Belo Horizonte

23/08/2021 18h15Atualizada em 24/08/2021 07h54

Um jovem de 24 anos, foragido da Justiça, vai ser indiciado pela morte da estudante de direito Yasmin Martins Videira, de 20 anos, na porta de uma balada em Frutal (MG), no dia 15 de agosto. Ela foi atingida com um tiro na nuca enquanto tentava separar a briga entre o namorado e outro rapaz, de 28 anos.

A conclusão do inquérito foi confirmada na tarde de hoje ao UOL pela Polícia Civil mineira. O suspeito vai responder por homicídio doloso com erro na execução. Ou seja, havia intenção clara de matar, mas o alvo de origem, que era o outro envolvido, não foi acertado. No lugar dele, a bala atingiu a jovem, que morreu na hora.

Até então, o que se sabia era que os dois envolvidos haviam fugido após o crime. No entanto, um deles, o rapaz de 28 anos, se apresentou no final de semana e relatou sua versão, que se somou à análise das câmeras de segurança.

Munida de depoimentos de testemunhas e imagens, a polícia concluiu que o namorado da vítima foi o responsável pelo disparo que matou Yasmin. Ele não teve a identidade revelada e segue foragido desde o dia do assassinato.

Relembre o crime

Os três envolvidos no incidente estavam em uma loja de conveniência antes da tragédia. Depois, foram para a frente da casa noturna. Por motivo ainda desconhecido, os dois homens começaram a discutir. Yasmin tentou separar a confusão e houve o disparo.

Quando os militares chegaram, a jovem já estava sem vida caída e os dois homens haviam fugido. A polícia chegou a cogitar a possibilidade de feminicídio, mas todos os indícios apontaram que a tese não era válida.

Após o crime, o delegado Murilo Antonini, em entrevista ao UOL, afirmou que "foi uma discussão banal, estavam todos embriagados e, sem motivos, um começou a mexer com o outro. A gente não tem certeza ainda do que seria essa discussão".

Ele disse também que não há histórico de desavenças entre os dois rapazes.

Cotidiano