PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Morte de criança por febre maculosa acende alerta no norte do RJ

Carrapatos são transmissores da doença - Christopher Paddock James Gathany / CDC - Reprodução
Carrapatos são transmissores da doença Imagem: Christopher Paddock James Gathany / CDC - Reprodução

Do UOL, em São Paulo

16/09/2021 11h19

A morte de uma criança de seis anos por febre maculosa em Campos dos Goytacazes, no Rio de Janeiro, acendeu um alerta para o município nesta semana. Segundo a Secretaria de Saúde, nesta terça (14), agentes da prefeitura fizeram uma busca ativa para identificação e combate ao carrapato responsável pela transmissão da bactéria do gênero Rickettsia, causadora da doença. Agora, a cidade está adotando medidas para evitar que novos casos surjam na região.

O óbito da paciente foi registrado no dia 31 de agosto e o diagnóstico foi confirmado neste fim de semana pelo Laboratório de Hantaviroses e Rickettsioses do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz). Agentes da prefeitura com o apoio do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) e da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Humano e Social (SMDHS) foram até a área da comunidade Cafuringa, no distrito de Travessão para pesquisar a origem da bactéria.

Segundo a prefeitura, diversos carrapatos foram encontrados na casa onde residia a criança que morreu, além de entulhos ao redor de residência. Um outro aspecto que chamou atenção foi a presença de capivara, um dos animais hospedeiros da bactéria. A área foi dedetizada.

Até então, Campos dos Goytacazes havia registrado apenas dois casos nos últimos anos, um em 2020 e outro em 2017, em áreas distintas. Ambos os pacientes, um de 18 e outro de 54 anos, foram tratados e recuperados. Segundo a Secretaria de Saúde do Rio de Janeiro, até o momento, foram registrados 12 casos e 2 óbitos por febre maculosa no estado. Em 2020, também foram 12 casos e 2 óbitos. Já em 2019, foram 35 casos e 14 óbitos.

"A confirmação da morte da criança por febre maculosa ocorreu no último final de semana. A suspeita é de que seja um caso autóctone (transmitido por hospedeiros que vivem na região), mas há possibilidade de ter sido por contaminação externa. Nenhuma hipótese está descartada. Estamos investigando", explica o subsecretário, Charbell Kury.

Um caso semelhante foi detectado na região, com uma criança de 2 anos que teve o óbito registrado em janeiro de 2020. Entretanto, ainda não há confirmação sobre o que teria causado a morte. "Também vamos investigar esse óbito que, na ocasião, teve a causa morte desconhecida", disse o subsecretário, acrescentando que ambas as mortes passaram por sequência de atendimento médico por diversas unidades de pronto atendimento de emergência.

Agora, a prefeitura deve continuar as investigações com a Fiocruz para identificar o LPI (Local Provável de Infecção). A data da ação ainda não está definida.

Os principais sintomas da febre maculosa são febre alta, dores de cabeça intensas, dor muscular e articular, dor abdominal, diarreia e exantema. Eles costumam aparecer entre dois e 14 dias após a picada do carrapato infectado. Entre os animais que podem hospedar a bactéria estão cavalos, capivaras, marsupiais (gambás) e cães que circulam em região com infestação e transportando o carrapato-estrela infectado.

Cotidiano