PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
7 meses

'Pessoas querem voltar para casa, mas chuva voltou', diz prefeito na Bahia

Do UOL, em São Paulo

27/12/2021 07h59Atualizada em 27/12/2021 12h16

O prefeito de Itapetinga, um dos municípios mais afetados pelas chuvas na Bahia nos últimos dias, fez um apelo para que os moradores que precisaram deixar suas casas devido às inundações não retornem para as suas residências. Segundo ele, ainda há risco.

"Nesse momento é o que nos preocupa. Ontem, nós passamos quase um dia inteiro sem chuvas e as pessoas quiseram voltar para as suas residências. A água baixou um metro. Mas as chuvas voltaram durante a madrugada e continuamos a campanha para que as pessoas continuem em locais seguros e não retornem às suas residências", disse Rodrigo Hagge (MDB-BA) em entrevista à CNN Brasil.

A cidade entrou ontem na lista de municípios em situação de emergência em decreto do governo estadual. Segundo o prefeito, cinco bairros foram "severamente afetados" pelos efeitos da chuva.

"O rio transbordou e alguns bairros ficaram totalmente alagados", afirmou ele. A cidade, de acordo com o prefeito, em 3.500 desabrigados e 500 pessoas em abrigos montados pela administração municipal.

Hagge disse ainda que o que provocou a subida repentina do volume de água do rio Itapetinga "foi o estouro de algumas barragens e açudes e dos córregos que contribuem com água para o nosso rio".

"Nós estamos enfrentando um período chuvoso há mais de 30 dias. O solo já vem muito encharcado. Foi uma coisa repentina. Segundo moradores mais antigos e dados do município, nunca houve uma cheia dessa na região. Foi totalmente inesperado a forma como esse volume de água se comportou. Nunca houve uma cheia dessa na nossa região", completou.

O mau tempo de ontem também impediu o governo federal de montar uma base operacional na cidade, localizada a cerca de 577 km de Salvador, e a visita do ministro da Cidadania, João Roma, ao local. Ele é esperado hoje em Itapetinga para avaliar os danos causados pela chuva.

De acordo com o prefeito, além de todos os danos sofridos pela população, a estimativa de prejuízo para a economia local é na ordem de R$ 25 milhões.

Na Bahia, as chuvas já deixaram ao menos 18 mortos e 58 cidades debaixo d'água, segundo o governador Rui Costa (PT). Ontem, ele assinou um novo decreto para incluir mais 47 municípios em situação de emergência devido às chuvas, totalizando 72. Até ontem, 25 cidades faziam parte desta lista. A previsão é de que a semana siga com mais chuva no estado.

Cotidiano