PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
6 meses

Capitólio: 'A princípio, o número final é de 10 mortos', dizem Bombeiros

Do UOL, em São Paulo

10/01/2022 08h01Atualizada em 10/01/2022 09h40

O porta-voz e tenente do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, Pedro Aihara, disse hoje à CNN Brasil que a corporação acredita que, a princípio, seja dez o número final de mortos na tragédia na região do Lago de Furnas, em Capitólio (MG), onde no sábado (8) uma rocha se desprendeu e caiu sobre quatro lanchas com turistas. Ao todo, dez pessoas morreram e mais de 30 ficaram feridas. O local foi isolado e está fechado para visitação.

"A princípio, o número final é de dez mortos. Por que a gente permanece com essas operações em Capitólio? Porque, por mais que nós já tenhamos recuperado esses dez corpos, devido ao impacto, a violência dessa colisão da rocha com algumas das vítimas, nem todos os corpos foram recuperados de forma íntegra. Então, infelizmente, alguns corpos foram segmentados com o impacto da rocha."

Segundo o tenente, hoje a corporação segue fazendo buscas no local da tragédia, com o objetivo de recuperar o restante dos segmentos corpóreos menores das vítimas. Além disso, os bombeiros estão em busca de destroços das embarcações atingidas para "auxiliar nas investigações que vão subsidiar o inquérito que vai ser feito para apurar as circunstâncias desse acidente".

Aihara reforçou que "com relação às listas que a gente já cruzou, a gente já fechou, não existe outra pessoa reclamada como desaparecida".

Também não existe nenhuma outra pessoa que estava na lista de passageiros da lancha 'Jesus'. Porque esses dez óbitos são da mesma lancha, então, a princípio, a gente não deve ter nenhum tipo de alteração com relação ao número de óbitos
Pedro Aihara, tenente do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, à CNN Brasil

O tenente explicou que hoje será um dia decisivo para o Corpo de Bombeiros ter uma definição acerca da data para finalizar os trabalhos na região do Capitólio. De acordo com o porta-voz, a reavaliação para o fim dos trabalhos vai depender da recuperação dos segmentos corpóreos menores das vítimas e dos destroços das embarcações.

"Amanhã, possivelmente, ainda haverá necessidade de algum empenho do nosso Corpo de Bombeiros com alguns mergulhadores e, à medida que a gente for conseguindo recuperar todo esse material, vai optar pela finalização da operação", conclui Aihara.

Cotidiano